Fadiga mental não é ilusão: cientistas descobrem por que pensar muito deixa você cansado

0
413
Mente

Escusado será dizer que o trabalho físico pesado desgasta você, mas e o trabalho mental duro? Ficar sentado pensando muito por horas também faz a pessoa se sentir desgastada. Agora, os cientistas têm novas evidências para explicar por que isso acontece. Com base em suas descobertas, a razão pela qual você se sente mentalmente exausto (em oposição a sonolento) de pensamento intenso não está apenas na sua cabeça.

Seus estudos mostram que, quando o trabalho cognitivo intenso é prolongado por várias horas, faz com que subprodutos potencialmente tóxicos se acumulem na parte do cérebro conhecida como córtex pré-frontal. De acordo com os pesquisadores, isso, por sua vez, altera seu controle sobre as decisões, então você muda para ações de baixo custo que não exigem esforço ou espera enquanto a fadiga cognitiva se instala. A pesquisa foi relatada em 11 de agosto na revista Current Biology .

“Teorias influentes sugeriram que a fadiga é uma espécie de ilusão inventada pelo cérebro para nos fazer parar o que estamos fazendo e nos voltarmos para uma atividade mais gratificante”, diz Mathias Pessiglione, da Universidade Pitié-Salpêtrière, em Paris, França. “Mas nossas descobertas mostram que o trabalho cognitivo resulta em uma verdadeira alteração funcional – acúmulo de substâncias nocivas – então a fadiga seria de fato um sinal que nos faria parar de trabalhar, mas com um propósito diferente: preservar a integridade do funcionamento do cérebro.”

Pessiglione e colegas, incluindo o primeiro autor do estudo, Antonius Wiehler, queriam entender o que realmente é a fadiga mental. Enquanto as máquinas podem computar continuamente, o cérebro não pode. Eles queriam descobrir o porquê. Eles suspeitavam que o motivo tinha a ver com a necessidade de reciclar substâncias potencialmente tóxicas que se originam da atividade neural.

Para procurar evidências para apoiar essa teoria, eles usaram a espectroscopia de ressonância magnética (MRS) para monitorar a química do cérebro ao longo de um dia de trabalho. Eles estudaram dois grupos de pessoas: aqueles que precisavam pensar muito e aqueles que tinham tarefas cognitivas relativamente simples.

Eles viram sinais de fadiga, incluindo dilatação reduzida da pupila, apenas no grupo que fazia trabalho mental pesado. Aqueles nesse grupo também exibiram em suas escolhas uma mudança para opções que propunham recompensas em curto prazo com esforço mínimo. Criticamente, eles também tinham níveis mais altos de glutamato nas sinapses do córtex pré-frontal do cérebro. Juntamente com evidências anteriores, os cientistas dizem que isso apóia a hipótese de que o acúmulo de glutamato torna a ativação adicional do córtex pré-frontal mais cara, de modo que o controle cognitivo é mais difícil após um dia de trabalho mentalmente difícil.

Então, existe alguma maneira de superar essa limitação da capacidade do nosso cérebro de pensar muito?

“Na verdade, não, receio”, disse Pessiglione. “Eu empregaria boas e velhas receitas: descansar e dormir! Há boas evidências de que o glutamato é eliminado das sinapses durante o sono.”

Pode haver outras implicações práticas das descobertas. Por exemplo, dizem os pesquisadores, o monitoramento de metabólitos pré-frontais pode ajudar a detectar fadiga mental grave. Tal habilidade pode ajudar a ajustar as agendas de trabalho para evitar o esgotamento. Pessiglione também aconselha as pessoas a evitar tomar decisões importantes quando estão cansadas.

Em estudos futuros, os pesquisadores esperam descobrir por que o córtex pré-frontal parece especialmente suscetível ao acúmulo de glutamato e à fadiga. Eles também estão curiosos para saber se os mesmos marcadores de fadiga no cérebro podem prever a recuperação de condições de saúde, como câncer ou depressão.

Referência: “Um relato neuro-metabólico de por que o trabalho cognitivo de um dia altera o controle das decisões econômicas” por Antonius Wiehler, Francesca Branzoli, Isaac Adanyeguh, Fanny Mochel e Mathias Pessiglione, 11 de agosto de 2022, Current Biology .
DOI: 10.1016/j.cub.2022.07.010

Fonte: https://scitechdaily.com/mental-fatigue-is-no-illusion-scientists-figure-out-why-thinking-hard-makes-you-tired/

RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES
Receba nossos novos artigos em seu e-mail e fique sempre informado, é grátis!

Deixe uma resposta