Os bebês podem ver coisas que os adultos não veem

0
359
Bebês veem coisas

Geralmente podemos reconhecer um objeto, mesmo que ele seja apresentado por um tempo muito curto. Entretanto, se outro objeto aparecer imediatamente após o primeiro objeto, a percepção sobre o primeiro objeto é prejudicada de tal forma que não percebemos sua existência. Este fenômeno perceptivo, chamado “máscara visual retrógrada”, é usado na ciência da visão para estudar como a percepção visual é processada no cérebro. Curiosamente, este fenômeno ocorre mesmo que o segundo objeto não se sobreponha espacialmente ao primeiro objeto, como um contorno ou quatro pontos em torno do objeto.

Presume-se que a ocorrência deste fenômeno seja devida a uma interrupção do “processamento de feedback”. Quando vemos algo, a informação visual é processada em série de áreas visuais inferiores para superiores no cérebro, de forma ascendente. Entretanto, o processamento de feedback de cima para baixo, no qual os sinais visuais são enviados de áreas mais altas para mais baixas, também desempenha um papel crítico na percepção visual. Pensa-se que o mascaramento visual para trás ocorre devido à interferência no processamento de feedback.

“Aplicamos o mascaramento retrógrado a bebês de 3-8 meses de idade para examinar o desenvolvimento do processamento de feedback”, diz Yusuke Nakashima, um pós-doutorando na Universidade Chuo em Tóquio e o autor principal do estudo. “Estudos recentes na ciência da visão revelaram a importância do processamento de feedback na percepção visual, mas seu desenvolvimento é mal compreendido”.

Para testar se o mascaramento retroativo ocorre em bebês, os pesquisadores apresentaram imagens de rostos em uma tela de computador e mediram o tempo que os bebês passaram olhando para eles. Como as crianças tendem a olhar mais tempo para os rostos, os pesquisadores podem testar se as crianças percebem os rostos medindo seu tempo de observação. Os rostos foram apresentados de duas maneiras. Em uma condição, um rosto era seguido por uma imagem de máscara, na qual os bebês não veriam o rosto se houvesse uma máscara para trás. Em outra condição, nada aparecia após o rosto; assim, os bebês poderiam ver o rosto.

Os pesquisadores descobriram que as crianças de 7-8 meses de idade não podiam ver o rosto seguido pela máscara, indicando que a máscara para trás ocorria, semelhante à dos adultos. Em contraste, bebês de 3-6 meses de idade podiam perceber rostos mesmo quando os rostos eram seguidos pela imagem da máscara, indicando que a máscara não ocorria e que os bebês mais jovens podiam ver rostos que os bebês mais velhos não podiam.

“Estes resultados sugerem que o processamento de feedback é imaturo em bebês menores de 7 meses”, diz Nakashima. “Ou seja, os bebês mais jovens não têm um processamento de feedback que o mascaramento para trás deveria interferir e, portanto, o mascaramento é ineficaz para eles”. Os resultados do estudo demonstraram que os mecanismos de percepção visual mudam drasticamente na segunda metade do primeiro ano de vida, desde o sistema bottom-up até o sistema que incorpora o processamento top-down.

Os resultados também mostraram que objetos que podem ser percebidos na primeira infância tornam-se imperceptíveis durante o desenvolvimento. “Isto pode parecer contra-intuitivo”, diz Masami Yamaguchi, um professor da Universidade de Chuo. “Ao invés disso, habilidades visuais importantes seriam adquiridas pelo amadurecimento do processamento de feedback”.

Por exemplo, o processamento de feedback é essencial para a percepção robusta de imagens visuais ambíguas, tais como objetos ocluídos. “Os bebês mais jovens cujo processamento de feedback é imaturo podem perceber o mundo externo de forma ambígua”, diz Yamaguchi. “Em troca da suscetibilidade ao mascaramento visual, adquirimos a capacidade de perceber com robustez cenas visuais ambíguas”.

Referências

Babies can see things that adults cannot
https://medicalxpress.com/news/2021-06-babies-adults.html
Yusuke Nakashima et al, Perception of invisible masked objects in early infancy, Proceedings of the National Academy of Sciences (2021). DOI: 10.1073/pnas.2103040118

RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES
Receba nossos novos artigos em seu e-mail e fique sempre informado, é grátis!

Deixe uma resposta