Mulheres com autismo e insônia

0
597
Insônia

Desde que me lembro, tenho insônia. Meus irmãos e eu tínhamos dormitórios no mesmo andar quando crescíamos, e eu gritava com eles pelo menor barulho. Hoje, não consigo dormir com meu companheiro de mais de dez anos. Cada vez que ele se move ou respira, quero sufocá-lo com o travesseiro mais próximo.

Tentei explicar para aqueles com quem vivo como é para mim à noite. Quando ouço um barulho, por menor ou insignificante que seja, sinto como se algo afiado estivesse preso em meu estômago. Sinto um barulho no nível mais visceral, entrando em um estado severo de luta ou vôo.

Dado o ambiente certo, posso dormir bem, embora ainda tenha a tendência de acordar muitas vezes durante a noite e me levantar muito cedo. Mas é preciso muito esforço para criar o ambiente certo (o que, idealmente, envolve excluir todas as outras pessoas – não é uma façanha fácil quando se tem um parceiro e dois filhos).

Não estou sozinha em ser uma mulher com autismo que sofre de insônia. Embora receba menos atenção que alguns dos outros sintomas do autismo, muitas crianças e adultos com autismo sofrem de insônia.

Um dos maiores estudos deste tipo revelou que as crianças com autismo apresentavam alto risco de distúrbios do sono.1 Pesquisas sobre os padrões de sono das crianças mostraram que elas apresentavam problemas com o sono REM (rapid eye movement) e experimentaram uma diminuição da quantidade de REM, diminuição do tempo na cama e diminuição do tempo total de sono.2 Mais de 50% das crianças e adultos com autismo relatam problemas de sono.3 A grande maioria dos meus clientes também tem problemas de sono, inclusive não conseguir dormir, acordar freqüentemente durante a noite, sentir pânico antes de dormir e quando acordam, acordar cedo e sentir-se exaustos ao começar o dia.

Por que as mulheres com autismo têm problemas com o sono?

Há várias razões potenciais para a ligação do autismo com a insônia, inclusive:

Genética

Uma teoria é que as pessoas com autismo têm o dobro da chance de carregar alterações nos genes que regulam o ritmo circadiano do corpo, que é responsável pelo ciclo sono-vigília do corpo. Nenhum estudo até hoje confirmou uma ligação entre as mutações genéticas e o ritmo circadiano; entretanto, as pesquisas mostraram uma ligação genética com outros genes do sono. Um estudo que comparou crianças autistas com seus irmãos neurotípicos mostrou que elas tinham quase o dobro da probabilidade de transportar mutações que afetavam um dos genes do sono e que tinham uma vez e meia mais probabilidade de ter mutações genéticas que afetam um gene relacionado à insônia.

Questões sensoriais

Muitas pessoas com autismo têm dificuldade para dormir por causa de problemas sensoriais. Uma sensibilidade extremamente elevada à luz, ao tato e ao ruído pode tornar quase impossível cair e ficar dormindo.

Minha cliente Angela me disse: “Tudo ao redor do sono me causa extrema ansiedade. Eu levo o ‘sono leve’ a um nível totalmente novo. Não consigo dormir até que meu parceiro esteja dormindo e eu estou super consciente de seus padrões respiratórios. Se ouço algum barulho do apartamento acima, fico acordado como um tiro. E também levo um longo tempo para ficar confortável. Acabo puxando os lençóis antes de entrar na cama e fico irritado se há uma ruga no lugar errado”.

Questões de regulamentação emocional e ruminação

As mulheres com autismo muitas vezes têm problemas de regulação emocional5 e podem achar muito difícil se acalmar após um dia difícil ou depois de terem tido um colapso. Muitas mulheres com autismo têm ansiedade e depressão, ambas as quais podem afetar o sono. Elas também são propensas a ruminar e podem se encontrar revisando o que disseram e fizeram durante o dia.

Outra cliente, Diane, me disse: “Eu vou me fixar em algo que eu disse. Preocupa-me que eu tenha feito algo errado – e terei literalmente que repetir a conversa repetidamente, analisando exatamente o que aconteceu durante a interação”. Eu posso passar horas à noite fazendo isso”.

Outras questões de saúde associadas

As pessoas com autismo têm maior probabilidade de experimentar outros problemas de saúde, tais como problemas gastrointestinais,6 que podem afetar o sono. Um estudo mostrou que as pessoas com autismo têm entre 1,5 a 4,3 vezes mais probabilidade de ter uma grande variedade de condições de saúde, incluindo pressão arterial baixa, arritmias, asma e pré-diabetes.

O que ajuda as pessoas com autismo a adormecerem?

Para as pessoas com autismo, o que ajuda a dormir é semelhante às medidas que ajudam a todos a dormir:

  • Estabelecer uma rotina consistente.
  • Ir para a cama antes de ficar muito cansado.
  • Não verifique seu telefone/tabela na cama.
  • Mantenha o quarto para dormir e sexo – nada mais.
  • Evite os estimulantes à noite.
  • Certifique-se de que seu quarto esteja na temperatura correta.

Além das regras gerais de “higiene do sono” acima, há algo sobre o reconhecimento de que suas necessidades podem ser mais extremas do que as de outras pessoas e isso está bem. Você não está sendo hiper-reativo. Este é um problema sobre o qual você tem pouco controle. A partir de minha própria experiência e da experiência de meus clientes, outras medidas que podem ajudar incluem:

  • Usar fones de ouvido e ouvir música suave, ruídos de fundo, meditações guiadas ou histórias de sono.
  • Usando uma manta ponderada.
  • Abraçar um brinquedo macio.
  • Assegurar que você tenha algum tempo sozinho e tranqüilo antes de adormecer.
  • Encontrar alguma forma de lidar com os pensamentos do dia (por exemplo, algumas pessoas encontram escrevendo-os para que possam olhar para eles no dia seguinte é útil).
  • Fazer uma caminhada matinal (que ajuda a equilibrar o hormônio melatonina).

Na medida do possível, tente garantir que outras pessoas em sua casa compreendam a extensão de seus problemas. Se eles fizerem tudo o que puderem para proporcionar um ambiente de paz, provavelmente isso terá um efeito positivo em ajudar você a dormir.

Referências

Women with Autism and Insomnia
https://www.psychologytoday.com/us/blog/women-autism-spectrum-disorder/202105/women-autism-and-insomnia

Claire Jack Ph.D.
Mulheres com Desordem do Espectro do Autismo


1.     Mazurek, MO & Sohl, K (2016) Sleep and behavioural problems in children with autism spectrum disorder. Journal of Autism and Developmental Disorders, 46(6), p1906-1915

2.     Devnani, PA & Hegde, AU (2015) Autism and sleep disorders. Journal of Pediatric Neuroscience, 10(4), p304-7

3.     Relia, S, Ekambaram, V (2018) Pharmacological approach to sleep disturbances in autism spectrum disorders with psychiatric comorbidities: a literature review. Med Sci (Basel)., 6(4) doi:10.3390/medsci6040095

RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES
Receba nossos novos artigos em seu e-mail e fique sempre informado, é grátis!

Deixe uma resposta