Psicólogo ilumina um dos conceitos mais fundamentais da humanidade: causa e efeito

0
786
Fósforo queimado

Como um pai sendo importunado com perguntas intermináveis de uma criança pequena, a maioria das pessoas se encontrará de vez em quando seguindo uma cadeia infinita de causa e efeito ao considerar o que levou a algum evento em particular. E embora muitos fatores possam contribuir para um evento, muitas vezes destacamos apenas alguns como suas causas. Então, como decidimos?

Esse é o tema de um trabalho recente de Tadeg Quillien, estudante de doutorado no Departamento de Ciências Psicológicas e do Cérebro. O estudo, publicado na revista Cognition, descreve como o papel de um fator em um evento influencia se o consideramos ou não uma causa desse evento.

Em seu trabalho, Quillien constrói um modelo matemático de julgamento causal que reproduz melhor do que qualquer modelo anterior as intuições das pessoas. E, além de fornecer insights teóricos, compreender como raciocinamos sobre a causalidade tem grandes implicações para a forma como abordamos os problemas em geral.

Intuitivamente falando, o evento que tem o papel mais forte na determinação de um resultado é geralmente considerado sua causa. De fato, filósofos e psicólogos têm observado os humanos classificando as causas de um evento em diferentes estudos. Por exemplo, se for encontrado um fósforo no local de um incêndio florestal, as pessoas costumam dizer que o fósforo causou o incêndio, embora o oxigênio no ar também fosse necessário para que o incêndio começasse.

“Mas o que queremos dizer com “o papel mais forte”?”. Quillien perguntou. “Esta ainda é uma noção muito nebulosa e torná-la mais precisa tem sido, por décadas, uma fonte de dores de cabeça para filósofos e psicólogos que tentam entender o julgamento causal”.

Quillien abordou esta questão, considerando qual o propósito evolutivo que nosso raciocínio causal serve. “Pelo menos uma das funções do julgamento causal é destacar os fatores que são mais úteis para prever um resultado”, propôs Quillien, “assim como os fatores que você pode manipular para afetar o resultado”.

O processo o lembrou de um cientista procurando entender como os diferentes fenômenos estão relacionados. Os cientistas podem realizar experimentos controlados com muitos casos diferentes para quantificar correlações e determinar o tamanho de um efeito, que é a associação entre uma variável e outra.

Mas se aceitarmos que é isso que a mente está tentando fazer, surge um problema. Os cientistas confiam em muitas observações antes de chegar a um julgamento. Eles não podem calcular um tamanho de efeito a partir de uma única ocorrência. E ainda assim, as pessoas geralmente não têm dificuldade em fazer julgamentos causais pontuais.

Quillien acredita que este paradoxo pode ser resolvido com as seguintes hipóteses. Quando as pessoas fazem um julgamento causal, elas estão inconscientemente imaginando as diferentes maneiras que um evento poderia ter se desdobrado. “Estes contrafactuais fornecem os dados que você precisa para calcular esta medida de tamanho do efeito”, disse ele.

Guiado por estas ideias, Quillien projetou um modelo matemático simples de como as pessoas fazem julgamentos causais. Para testar seu modelo, ele analisou dados de um experimento conduzido pelo psicólogo de Harvard Adam Morris e seus colegas. O experimento utilizou um jogo de loteria para explorar o efeito da probabilidade e da estrutura lógica sobre as intuições causais das pessoas.

“A probabilidade de eventos afeta nosso senso de causalidade de uma forma estranha”, explicou Quillien. Digamos que um professor, Carl, quer financiamento para um projeto. Seu pedido é analisado pelos presidentes de seu departamento, Alice e Bill, que têm ambos que aprová-lo. Alice aprova quase todas as solicitações, mas Bill é notório por rejeitar a maioria delas. A questão é, se Carl recebe seu financiamento, quem é o mais responsável?

A maioria das pessoas diria que Bill fez com que o pedido de Carl fosse aprovado, já que obter seu endosso tem mais influência, em geral, no recebimento do financiamento.

No entanto, mudando apenas um detalhe, as intuições das pessoas se invertem. Se Carl só precisa da aprovação de um ou outro de seus colegas, e ainda recebe ambos, então as pessoas atribuem o financiamento de Carl à Alice. Neste caso, seu apoio mais confiável foi o fator mais forte para saber se o projeto de Carl foi financiado.

Em sua experiência, Morris e seus colegas foram capazes de quantificar com precisão este efeito que a probabilidade de um evento tinha sobre o julgamento causal das pessoas. Sua conclusão foi surpreendente, e nenhuma teoria psicológica na época poderia explicar seus resultados, disse Quillien.

Quando ele reanalisou seus dados, Quillien descobriu que seu modelo matemático combinava estreitamente com a forma como os participantes de Morris haviam atribuído a causalidade aos vários eventos. Na verdade, ele combinou os dados melhor do que qualquer outro modelo até o momento.

Os resultados destacam como a probabilidade e a estrutura lógica juntas informam nossa intuição causal. Quando ambos os votos são necessários para Carl obter financiamento, isso só acontecerá se o membro mais rigoroso do comitê estiver a bordo. Como resultado, as pessoas atribuem um resultado positivo à votação menos provável. Em contraste, em situações em que um único voto é suficiente, a aprovação do membro mais permissivo da faculdade é o que mais freqüentemente determina o resultado. “Estamos sintonizados com as causas que tendem a co-ocorrer com os efeitos”, disse Quillien.

A maneira pela qual raciocinamos sobre a causalidade tem implicações práticas. Considere novamente o exemplo do incêndio florestal. Os incêndios precisam de três coisas para queimar: oxigênio, combustível e uma fonte de ignição. Mas nossas mentes não dão o mesmo peso a esses fatores.

“Embora possamos não ter um modelo exato de como os incêndios florestais funcionam, ainda temos a sensação de que o oxigênio está lá o tempo todo, e as florestas não estão sempre em chamas”, disse Quillien. “Portanto, a correlação entre oxigênio e fogo é relativamente baixa”. O mesmo raciocínio se aplica ao combustível, ou seja, a madeira nas árvores. Mas introduza um fósforo na equação, e a floresta tem muito mais probabilidade de pegar fogo.

O método de julgamento causal que Quillien delineia em seu trabalho é bom para nos guiar em direção à partida: um fator com alto poder preditivo que podemos até ser capazes de controlar. Entretanto, nossa intuição às vezes pode nos desviar quando tentamos obter uma compreensão mais completa do mundo.

“Se você quer uma compreensão profunda de como o fogo funciona, você precisa considerar o papel do oxigênio”, disse Quillien. “Mas se seu intuitivo senso de causa está gritando que o oxigênio não importa, então isso pode levá-lo a ignorar alguns dos fatores importantes do mundo”.

O raciocínio causal é uma característica ubíqua da cognição, e Quillien planeja investigar melhor como nosso senso de causalidade influencia outros aspectos de nossa psicologia e visão de mundo. “Nós explicamos quase tudo em termos de causa e efeito”, disse ele. “Como conseqüência, muitos dos conceitos que usamos para dar sentido ao mundo têm a causalidade como um bloco de construção”.

“Se podemos compreender o conceito de causalidade, então podemos potencialmente compreender a forma como muitos outros conceitos também funcionam”.

Referências

Medicalxpress.com | Psychologist illuminates one of humanity’s most fundamental concepts: cause and effect

Tadeg Quillien. When do we think that X caused Y?, Cognition (2020). DOI: 10.1016/j.cognition.2020.104410

RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES
Receba nossos novos artigos em seu e-mail e fique sempre informado, é grátis!

Deixe uma resposta