A relação entre o CBD, o efeito placebo e a dor

0
319
CBD

As pessoas frequentemente promovem a CDB como um analgésico, apesar da falta de provas clínicas para sustentar esta afirmação. Pesquisadores da Universidade de Syracuse (SU) em Nova York realizaram recentemente um estudo investigando o valor da CDB como um analgésico.

Eles descobriram que a CBD pode facilitar o controle da dor devido a uma combinação de suas reais propriedades farmacológicas e das expectativas das pessoas em relação ao alívio da dor.

O poder do placebo

O pesquisador de psicologia da SU Martin De Vita, o autor principal do estudo, explica o motivo do estudo:

“Para a ciência e para o público em geral, a questão permaneceu: O alívio da dor que os usuários da CDB alegam experimentar devido aos efeitos farmacológicos ou efeitos placebo? Essa é uma pergunta justa porque sabemos que simplesmente dizer a alguém que uma substância tem a capacidade de aliviar sua dor pode realmente causar mudanças robustas em sua sensibilidade à dor. Estes são chamados ‘efeitos de expectativa'”.

O estudo é um seguimento de pesquisas anteriores realizadas por De Vita, candidata a doutorado Dezarie Moskal, e pelo Professor Emérito de Psicologia da SU Stephen Maisto.

O trabalho anterior da equipe descobriu que a CBD e seus correspondentes efeitos de expectativa não reduziam tanto a intensidade experimental da dor, mas a tornavam mais suportável. Como De Vita explica, eles estavam “mudando o canal, tornando-o um pouco menos desagradável”.

De Vita diz sobre o estudo atual:

“Nós colocamos a hipótese de que detectaríamos principalmente a analgesia placebo induzida pela expectativa (alívio da dor)”. O que descobrimos, porém, depois de medir vários resultados diferentes de dor, é que na verdade é um pouco de ambos. Ou seja, encontramos melhorias nas medidas de dor causadas pelos efeitos farmacológicos da CBD e os efeitos psicológicos de apenas esperar que eles tivessem contraído a CBD. Foi bastante notável e surpreendente”.

As descobertas aparecem na revista Experimental e Clinical Psychopharmacology.

Separando a CDB do placebo

O estudo envolveu 15 adultos saudáveis da comunidade de Syracuse que atualmente não estavam tomando nenhum medicamento para dor e que tinham entre 18 e 30 anos de idade.

Os pesquisadores excluíram os adultos idosos, pois pesquisas anteriores indicaram que as pessoas idosas têm maior probabilidade de ter desenvolvido reatividade ou sensibilidade à dor alterada, o que poderia distorcer os resultados experimentais.

Depois de usar o calor para induzir a dor com segurança nos participantes do estudo, os pesquisadores mediram as respostas de seu sistema nervoso. Descrevendo o experimento, De Vita diz: “Então administramos uma droga, como a CBD pura, ou um placebo e depois reavaliamos suas respostas à dor e vemos como elas mudam com base em que substância foi administrada”.

O experimento utilizou óleo de CDB, mas De Vita adverte que outras formas de CDB podem produzir resultados diferentes.

Os pesquisadores também quiseram avaliar os efeitos da expectativa, então disseram a algumas pessoas que tinham recebido CBD que tinham recebido um placebo. Eles também disseram a algumas pessoas que estavam recebendo a CBD em vez do placebo.

“Dessa forma”, explica De Vita, “poderíamos analisar se foi a droga que aliviou a dor, ou se foi a expectativa de que eles tinham recebido a droga que reduziu sua dor”.

Dor

De Vita observa que a dor não é um fenômeno simples. Ela envolve a percepção física, ou “sensorial”, da intensidade da dor, assim como a resposta emocional, ou “afetiva”, da pessoa à dor.

A equipe explorou tanto as respostas sensoriais quanto afetivas à dor numa tentativa de “rebentar o capuz e começar a olhar para alguns desses outros processos mecanicistas da dor”, como De Vita coloca.

Os pesquisadores mediram os efeitos da CDB, a expectativa, ou ambos, em seis aspectos diferentes da dor:

  • limiar da dor
  • tolerância à dor
  • intensidade da dor
  • dor desagradável
  • modulação da dor condicionada, que é o grau em que o corpo pode alterar um sinal de dor no cérebro para torná-lo mais tolerável
  • analgesia offset, que é a diferença entre uma redução da dor e a percepção que um indivíduo tem dessa redução

CBD contra o efeito placebo

As experiências resultaram em descobertas complexas, muitas vezes contraditórias.

Por exemplo, o efeito farmacológico da CBD teve o maior efeito sobre um aspecto da dor, enquanto que, para outro, foi a expectativa dos participantes.

Para alguns aspectos da dor, a CBD e a expectativa produziram um efeito semelhante. Em outros casos, o benefício mais pronunciado veio de uma combinação dos dois.

“Estávamos entrando nisso”, diz De Vita, “pensando que íamos detectar principalmente o alívio da dor induzido pela expectativa, mas o que descobrimos foi muito mais complexo do que isso, e isso é excitante”.

De Vita disse hoje ao Medical News:

“É sempre uma boa idéia explorar os efeitos farmacológicos e psicológicos das substâncias”. Este é especialmente o caso da pesquisa da dor, porque a experiência da dor pode ser dramaticamente influenciada por fatores psicológicos”. Se pudermos aumentar nossa compreensão de como as substâncias nos afetam, podemos ajudar os provedores, os pacientes e os consumidores a tomar decisões informadas”.

De Vita acrescentou que “como este é o primeiro estudo experimental da dor em humanos sobre a CDB, a pesquisa ainda precisa examinar seus efeitos em diferentes populações de dor clínica”. Temos muito o que fazer”!

Referências

The relationship between CBD, the placebo effect, and pain
https://www.medicalnewstoday.com/articles/the-relationship-between-cbd-the-placebo-effect-and-pain#CBD-versus-the-placebo-effect
Escrito por Robby Berman em 4 de maio de 2021 – Fato verificado por Zia Sherrell, MPH

RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES
Receba nossos novos artigos em seu e-mail e fique sempre informado, é grátis!

Deixe uma resposta