Juntamente com o cérebro, coração, fígado e pulmões, os rins estão entre os órgãos mais importantes para a nossa sobrevivência. Isso pode explicar a intensidade com que são sentidos quando algo dá errado neste órgãos.

Quando um problema é detectado no trato urinário, a mensagem é clara: você sente dor aguda em sua parte inferior das costas e é tão forte e constante que é impossível ignorá-la. Nestas alturas, a melhor saída é ir diretamente para o pronto-socorro. Antes de você saber as principais causas da dor renal, você deve deixar claro onde essas estruturas estão localizadas e quais são suas funções. Estão junto à coluna vertebral, têm forma de feijão e têm entre 10 cm e 12 cm de comprimento.

Os rins estão ligados através das artérias e veias aos principais vasos sanguíneos do corpo – a artéria e a veia cava – e também à bexiga através de um tubo fino, o ureter.

Dor nos rins

Qual é a Função dos Rins?

Agora queremos ver como funcionam os rins. Todos os dias, tudo o que você come e bebe produz resíduos (toxinas) que acabam diretamente na sua corrente sanguínea. Os rins, assim como o fígado, são responsáveis pela limpeza (filtragem) de toda esta sujidade. Para realizar esta tarefa, estão equipados com pequenos filtros (nefrônios). Todos os outros fluidos são excretados na urina). Durante a purificação, os rins também regulam a quantidade de substâncias como o sódio e o cálcio, alertam o organismo para a produção de células sanguíneas (hemoglobinas), responsáveis pela distribuição de oxigênio no organismo, e regulam ainda mais a pressão.

Os rins são dois órgãos do tamanho de uma mão fechada em forma de feijão. Há 2 (dois) deles, localizados diretamente abaixo do tórax, um em cada lado da coluna vertebral. Todos os dias, dois rins filtram cerca de 120 a 150 litros de sangue para produzir 1 a 2 litros de urina.

Cerca de 70% do peso de um adulto é água. Esta enorme quantidade, por outro lado, representa uma flutuação significativa: como a água representa 70 a 90% da quantidade total de alimentos consumidos, nada vem e sai do corpo em volume tão alto quanto a água, exceto o ar.

Aparentemente, esta quantidade de água absorvida criaria o objetivo principal para que os rins descarregassem constantemente do corpo como um resíduo puramente inocente. Mas toda esta água de entrada é realmente necessária para funções orgânicas. Além da água potável com alimentos sólidos e líquidos, os seres humanos devem complementar suas necessidades consumindo água limpa, mesmo que o próprio corpo produza água como subproduto acidental de reações bioquímicas.

No organismo, a oxidação de gorduras, proteínas e açúcares resulta na produção diária de quase meio litro de água. O processo é semelhante ao processo de combustão, em que os átomos de oxigênio se combinam com átomos de hidrogênio para formar água sob a forma de vapor.

A água é um solvente universal porque é parte integrante de quase tudo. De certa forma, com o tempo, quase tudo se dissolve na água, incluindo a pedra. A água é, portanto, um veículo ideal para transportar as substâncias necessárias e trazê-las para o corpo. Em solução ou em mistura, sais inorgânicos, proteínas, vitaminas, hormônios, gorduras e açúcares são transportados em veículos aquáticos.

Portanto, a água desempenha um papel fundamental no processo de osmose, ou seja, o fluxo de um solvente ou outra substância através de membranas semipermeáveis que separam duas soluções de concentração desigual.

Uma solução mais concentrada (que exerce mais pressão) atrai as moléculas de solvente, fazendo com que o solvente migre até que as concentrações estejam equilibradas. Como as células do corpo são cercadas por paredes semi-permeáveis, a escória produzida pela ação celular passa para o líquido intermediário que banha as células. Da mesma forma, os nutrientes são transferidos do fluido intermediário para o interior da célula.

A maior parte da água do corpo é encontrada nas células. O sangue contém apenas cerca de 10% de sangue e o resto é dividido em outros líquidos, principalmente líquidos intersticiais.

Beber muita água faz mal?

Além desta função de transferir as substâncias necessárias para o corpo, a água também atua como um regulador de temperatura: o suor hidrata a pele, a evaporação rouba o calor e reduz a temperatura ambiente. Apesar da falta de sensibilidade, ainda há suor.

Por estas razões, o nível da água no corpo é de fundamental importância para o equilíbrio fisiológico. Mas a função renal não é o único ou principal objetivo de remover o excesso de água. Na urina, a água reentra no corpo como um veículo para a excreção de resíduos orgânicos.

A terceira função dos rins é controlar a composição sanguínea dos vários sais inorgânicos que são tão importantes para a sua função osmótica. Os salmos são controlados eliminando o excesso de urina.

A cada minuto, cerca de 1/5 do sangue passa pelos rins para ser filtrado. No entanto, o produto é filtrado ainda menos concentrado do que a urina. O próprio rim passa este filtrado através de canais curvos, para que a água e outros compostos sejam novamente absorvidos. Através desta absorção, os rins ajudam a preservar a água e outras substâncias essenciais do corpo.

Quais São as Principais Causas de Dor nos Rins?

Embora a filtração e a drenagem sejam as principais funções dos rins, o que geralmente se refere à dor nos rins é uma atividade menos nobre: a produção de urina. Para eliminar o que não é útil, os órgãos têm canais convergentes – que formam o ureter – e a contração muscular drena a urina para a bexiga. Quando falamos de dor nos rins ou cólicas, isso tem a ver com a dificuldade de transportar a urina para a frente.

lower back pain

Quase sempre o inconveniente está relacionado com um bloqueio. A urina, que deve atingir o ureter, é parada (estase) e causa inchaço e desconforto durante a produção da urina.

Os principais obstáculos à urina são pedras formadas pela concentração de substâncias como cálcio, ácido úrico, etc. O problema é mais comum nos homens: um em cada dez sofre de cólicas renais durante toda a vida, enquanto as mulheres sofrem disso em uma em cada trinta e cinco pessoas. É importante notar que as pedras podem ser encontradas nos rins sem que a pessoa sinta qualquer dor. No entanto, ao removê-los, os órgãos estão sob pressão para forçar a passagem através do ureter. É aqui que ocorre o desconforto intenso.

Mas há outros fatores que causam dores nos rins:

Pielonefrite

É uma infecção bacteriana que se desenvolve na bexiga e se estende aos rins. A dor é aguda, a doença é grave e pode até levar a sepse (infecção generalizada do sangue). Neste caso, a dor renal é mais contínua e está associada a febre e perda de apetite. No caso de uma infecção do trato urinário com dor lombar grave é necessário investigar isso.

Endometriose

Se a doença está perto do canal através do qual a urina flui, a doença estreita e torna difícil para o fluido passar. Nestas situações é um bloqueio que ocorre fora do canal (extrínseco) – há algo que empurra a área e a dor ocorre.

Genética

Algumas pessoas nascem com uma obstrução, que também causa dor.

Algumas das causas raras de dores nos rins são as seguintes:

Tumor renal

Durante o crescimento é possível sentir dores leves e persistentes que ocorrem e desaparecem. Às vezes o sentimento doloroso é mais forte. Mas não devemos esquecer que, para uma em cada dez pessoas, sete pessoas não sentem absolutamente nada. Normalmente, o problema é descoberto durante um exame de rotina. A maioria das pessoas, quando o sintoma aparece, vê sangue na urina. Neste caso, a dor só aparece nos casos mais avançados.

Cistos hemorrágicos

No momento do sangramento, você pode sentir dor, que é confundida com dor nos rins, mas sempre aparece com uma diminuição da pressão e da pressão arterial na urina. – Idosos, hipertensos, hipertensos, hipercolesterolêmicos e diabéticos estão em maior risco de ter um ataque renal. Como os rins estão ligados às artérias, um deles pode fechar. Isto causa dor severa, que só passa depois de cuidados médicos.

O Que Você Pode Esperar da Sua Consulta?

Normalmente, uma pessoa com dores nos rins é examinada nas urgências. Se esta é a primeira vez que isto acontece, tenham consciência de que é necessário observar as características da dor, isto é, compreender como ela se manifesta. A possibilidade de poder descrever ao médico como você sente o ajudará a encontrar mais rapidamente o que está acontecendo.

Especialistas revelam que muitos pacientes chegam ao consultório do médico pensando que têm um problema renal devido a um mito popular. Basta uma pessoa com uma dor nas costas que o médico descreve como dor nos rins. Mas após o exame, apenas a dor lombar é diagnosticada, ou seja, dor nos músculos lombares.

Como Distinguir a Dor Lombar da Dor Renal?

A dor nos rins (dor nos rins causada por cólicas ou cólicas renais) vem do nada (é aguda) e vem de forma segura, ou seja, é forte, melhora e depois retorna. Sobe, desce e é intensa. Pode ser acompanhada de náuseas, vômitos e hemorragias na urina. Nas mulheres, a sensação pode irradiar-se na vagina, nos homens a sensação acontece nos testículos.

A dor nas costas (ou dor lombar) ocorre de tempos a tempos e pode ser uma sensação de peso ou ardor. É mais fraca do que a dor renal e quase sempre está associada ao movimento ou à postura em que você se senta. O desconforto é maior quando você diminui ou realiza atividades diárias.

Após ouvir a história do paciente e o exame de seu corpo, o primeiro exame que o médico pode solicitar é um exame de ultrassom. Mas o teste que determina a localização e o tamanho da pedra é a tomografia computadorizada. A análise da urina ainda é necessária, o que em 90% dos pacientes com alterações da cólica renal e revela a presença de sangue invisível a olho nu.

Quando a cólica renal é confirmada, o paciente é geralmente hospitalizado e o primeiro passo é controlar a dor. O uso de analgésicos e anti-inflamatórios é recomendado para este fim. Para as pessoas que procuram uma solução de habitação, os especialistas dizem que, infelizmente, não há nada a fazer. Um banho quente ou uma compressa quente alivia a carga, mas apenas por um curto período de tempo.

A causa mais comum de cólicas renais são os cálculos, e algumas medidas reduzem o risco de recaída. Uma diretriz geral que é usada para todos os tipos de cálculos é a ingestão de vários fluidos. Há também uma fórmula para encontrar a quantidade perfeita para você. Basta multiplicar 30 ml pelo peso total. Por exemplo, se o seu peso é 70 kg, você deve tomar 2,1 litros (30 ml x 70 kg = 2,0 litros). Outra boa maneira de descobrir se você está hidratando o corpo corretamente é observar a cor da sua urina. Se a cor estiver clara a maior parte do tempo, tudo bem. Mas se a cor for amarela escura ou laranja, é sinal de que você necessita ingerir mais água.

Evite Bebidas que Ajudem a Criar Pedras nos Rins

A pergunta seguinte é: esta conta abrange apenas a água, ou podemos cobrir todos os tipos de líquidos? A resposta é sim, podemos considerar tudo! A única excepção são as bebidas que ajudam a formar pedras nos rins. Evitar o consumo excessivo de:

  • Sucos artificiais e refrigerantes
  • Bebidas isotônicas
  • Chá preto

Alguns alimentos e nutrientes podem ajudar ou inibir a formação de pedras nos rins. Ao identificar a origem ou tendência a calcular, a dieta deve ser personalizada, mas será sempre um grande aliado na luta contra a dor renal.

Os nutrientes que levam à formação de pedras são o excesso ou ausência de cálcio, ácido úrico, oxalato, excesso de proteínas e sódio. Fatores que inibem sua produção incluem citrato, magnésio, potássio, bem como um suprimento adequado de cálcio, fibras e fluidos para manter a urina limpa.

Princípios gerais de nutrição para todos os tipos de cálculos:

Coma menos proteína e menos sódio: para isso, retire o sal da mesa, controle o consumo de carne, e evite o maior número possível de salsichas, embutidos, alimentos enlatados e alimentos industriais.

– Aumento do consumo de fibras: frutas, legumes, leguminosas, verduras, folhas e cereais integrais são boas fontes desta substância. Se o seu médico já tiver determinado os cálculos que causam dor nos rins (veja abaixo os tipos mais comuns), verifique a ingestão de alimentos por tipo:

O calcário absorve a quantidade ideal de mineral: de 1000 mg a 1200 mg por dia. O leite e os produtos lácteos, os vegetais de cor verde escura (rúcula, repolho, espinafre) e o peixe são boas fontes de nutrientes; deve ser dada atenção ao consumo adequado de água; consumo moderado de oxalatos (ver abaixo).

Oxalato

Evite consumir espinafre, beterraba, sementes oleaginosas, chocolate, chá preto; verifique a ingestão de vitamina C. O consumo de doses elevadas aumenta o risco de pedras oxalatadas; capriche na hidratação.

Ácido úrico

Evitar produtos ricos em ácido úrico e excesso de carne vermelha; evitar bebidas alcoólicas, especialmente cerveja, e reduzir a ingestão de frutose (açúcar em frutas) também é fundamental.

Aposte em comidas protetoras

Beber duas a três xícaras de café por dia pode reduzir o ácido úrico; uma dose baixa de vitamina C (até 500 mg) também controla o ácido úrico; comer mais bananas, que são ricas em magnésio, pode prevenir ou reduzir a formação de cristais de oxalato de cálcio; apostar nos sucos cítricos diluídos em água (limão, acerola) pode aumentar a dose de citrato, o que impede a formação de pedras nos rins.

Se mesmo com medicamentos, dieta ou mudanças de estilo de vida as pedras nos rins continuarem, o seu médico pode sugerir a remoção dos cálculos com ultra-sons ou endoscopia. A cirurgia convencional raramente é necessária.

Comente