Candidíase em homens é uma infecção causada por Candida albicans, que afeta principalmente a cavidade oral e órgãos genitais. Em casos mais graves, Candida albicans pode até atacar órgãos internos e o sistema nervoso central.

O fungo Candida albicans está naturalmente presente no corpo humano na pele, boca, genitais ou trato digestivo. Quando está em locais normais e em quantidades normais, não causa quaisquer problemas. No entanto, o fungo é um embrião oportunista e quando há uma mudança no sistema imunológico, Candida começa a se multiplicar com mais intensidade, criando uma infecção. A principal diferença entre uma situação normal e uma infecção é, portanto, o número de fungos e a presença de sintomas e sinais neste último caso.

Deve-se lembrar que crianças e adultos podem ser afetados por fungos quando o sistema imunológico está enfraquecido e/ou por possíveis reações ao uso recorrente de certos antibióticos.

A candidíase peniana, também chamada de balanopostite, não é tão comum quanto a vaginal, mas merece atenção quando ocorre. Na maioria dos casos, a sensibilidade do organismo causada por problemas de saúde é um fator importante na reprodução do excesso de fungos nos homens. Diabetes e má higiene são fatores comuns;

O Que é Candida albicans?

Candida albicans é um fungo patogênico oportunista que é um membro comum da flora intestinal humana. Ele também pode sobreviver fora do corpo humano. Em 40 a 60% dos adultos saudáveis é encontrado no trato gastrointestinal e na boca. É geralmente um organismo comum, mas pode tornar-se patogênico em diferentes condições em pessoas com um limite de imunidade. Este fungo é uma das poucas espécies do gênero Candida que causa candidíase infecciosa em humanos, que é o resultado de uma proliferação do fungo. A candidíase, por exemplo, é frequentemente observada em pacientes infectados pelo HIV. Candida albicans é a espécie de fungo mais comum, isolado a partir de biofilmes formados em dispositivos médicos implantados (permanentes) ou tecidos humanos. Candida albicans, Candida tropicalis, Candida parapsilosis e Candida glabrata, juntos, representam 50 a 90% de todos os casos de candidíase em humanos. Uma taxa de mortalidade de 40% tem sido relatada em pacientes com candidíase sistêmica por Candida albicans.

Candida albicans é um fungo frequentemente usado como um organismo modelo em biologia. Ele é geralmente chamado de fungo dimórfico porque se desenvolve como uma levedura e como células filamentosas. No entanto, tem fenótipos morfológicos diferentes. Candida albicans tem sido considerado um organismo diplóide obrigatório sem uma fase haplóide. No entanto, não é esse o caso. Além de um estágio haplóide, Candida albicans também pode ocorrer no estágio tetraplóide. Este último é formado quando as células diplóides de Candida albicans acasalam quando estão em forma opaca. O tamanho do genoma diplóide é de cerca de 29 MB, e até 70% dos genes que codificam as proteínas ainda não foram caracterizados. Candida albicans é fácil de ser cultivado em laboratório e pode ser estudado in vivo e in vitro. Dependendo do meio, estudos diferentes podem ser realizados porque o meio influencia o estado morfológico de Candida albicans. Um tipo especial de meio é CHROMagar™ Candida, que pode ser usado para identificar diferentes tipos de Candida.

Candida albicans pode ser considerado uma tautologia. Candida vem da palavra latina candidus, que significa branco. Os próprios albicanos são o particípio atual da palavra latina albicō, o que significa que ficam brancos. Mais de 200 espécies foram descritas no gênero Candida.

Candida albicans tem uma vasta gama de fenótipos morfológicos devido à conversão fenotípica e à transição de budas para hifas. A transição leveda-hipfae (filamentação) é um processo rápido e é causada por fatores ambientais. A alteração fenotípica é espontânea, ocorre em taxas mais baixas e até sete fenótipos diferentes são conhecidos para algumas cepas. O mecanismo de comutação mais bem estudado é o mecanismo de comutação branco-opaco (processo epigenético). Outros sistemas também foram descritos. David R. Soll e os seus colegas descobriram dois sistemas (o sistema de comutação de alta frequência e o sistema de comutação branco-opaco). Em Candida albicans, a comutação é frequentemente, mas nem sempre, influenciada por condições ambientais tais como conteúdo de CO2, condições anaeróbicas, o ambiente e a temperatura utilizada. Na sua forma de levedura, C. albicans varia de 10 a 12 mícrons. Podem formar-se vestígios em pseudo-hifes, clamidósporos, que sobrevivem em condições adversas, como a estação seca ou quente.

Embora muitas vezes referida como dimórfica, C. albicans é realmente polifenética (muitas vezes também referida como pleomórfica). Quando cultivada num meio de levedura normal de laboratório, a Candida albicans desenvolve-se como “células de levedura” ovóides. No entanto, ligeiras alterações ambientais na temperatura, CO2, nutrientes e pH podem levar a uma mudança morfológica no sentido de um crescimento filamentoso. As células filamentosas têm muitas semelhanças com as células de levedura. Ambos os tipos celulares parecem desempenhar um papel específico e distinto na sobrevivência e patogenicidade de C. albicans. As células de levedura parecem ser mais adequadas para disseminação na corrente sanguínea, enquanto as células de hifa têm sido apresentadas como um fator de virulência. As células hifálicas são invasivas e são consideradas importantes para a penetração tecidual, colonização de órgãos e sobrevivência, bem como para a fuga de macrófagos. A transição da levedura para as células de hifa é mencionada como um dos fatores-chave na virulência da Candida albicans; no entanto, isso não é considerado necessário. Quando as células de Candida albicans são cultivadas em um meio que imita o ambiente fisiológico de um hospedeiro humano, elas se desenvolvem como células filamentosas (hifas e pseudo-hifas reais). Candida albicans também pode formar clamidósporos cuja função permanece desconhecida, mas presume-se que eles desempenham um papel na sobrevivência de ambientes difíceis, pois geralmente se formam sob condições adversas.

Quais São as Principais Causas da Candidíase Peniana?

A candidíase em humanos ocorre quando há crescimento excessivo de um fungo em todos os humanos. Portanto, o desequilíbrio na concentração deste fungo pode ocorrer mais facilmente em adultos ou crianças com sistema imunitário enfraquecido.

Quais São os Fatores de Risco da Candidíase Peniana?

O Homem está mais vulnerável em contrair candidíase peniana com os seguintes fatores de risco:

  • Mudanças no sistema imunitário: Homens com baixa imunidade – por exemplo, tratados com corticosteroides ou infectados com HIV – são mais propensos a desenvolver candidose.
  • Sexo desprotegido: Contacto próximo, sem preservativo, com um parceiro infectado com Candida albicans.
  • Uso de antibióticos: O uso frequente de antibióticos de largo espectro, corticosteroides ou antidepressivos é geralmente uma ameaça muito intensa ao sistema imunitário, pondo em perigo a capacidade do organismo de combater microrganismos oportunistas como a Candida.
  • Alterações no diabetes: Pessoas com controle glicêmico pobre são mais propensas a desenvolver infecções fúngicas. Em alguns casos, especialmente em adultos com mais de 40 anos, a candidíase pode ser o primeiro sintoma de diabetes, câncer ou doença orgânica relacionada.
  • Pouca higiene do pênis: A falta de higiene íntima pode levar a inflamação e irritação – o que pode ser um sinal de infecções graves nos homens. A umidade excessiva também pode ser um incômodo.

Outros fatores, como níveis elevados de estresse, gripe alta e uso de drogas, podem contribuir para a propagação de fungos.

Quais são os Sintomas de Candidíase Peniana?

Os principais sintomas da candidíase peniana são:

  • Comichão, ardor e inchaço na ponta do pênis
  • Relações sexuais dolorosas
  • Ardência no momento da micção
  • Lesões na pele do pênis
  • Descarga de líquido branco
  • Cheiro forte e desagradável

Consulta Médica

Especialistas que podem diagnosticar um candidato numa pessoa saudável:

Médico clínico geral
Infectologista
Urologista (pênis)
Dermatologista

A preparação para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. Desta forma, você já pode vir a uma reunião com certas informações:

  • Uma lista de todos os sintomas e sua duração
  • A sua história clínica, incluindo quaisquer outras condições que possa ter e quaisquer medicamentos ou suplementos que tome regularmente.
  • Se possível, peça a alguém que o acompanhe.

O médico irá provavelmente fazer a você uma série de perguntas, tais como:

  • Quais são os seus sintomas?
  • Você já reparou algum cheiro forte e desagradável no teu pênis?
  • Há quanto tempo você tem estes sintomas?
  • Você tomou antibióticos recentemente?
  • Você é sexualmente ativo? Usa preservativos?
  • Que medicamentos ou suplementos vitamínicos toma regularmente?

Também é importante fazer suas perguntas em uma consulta por escrito. Isso permite que você obtenha respostas às suas perguntas antes do final da consulta. No caso de candidatos do sexo masculino, aqui estão algumas questões básicas:

  • Qual é o tratamento mais adequado para mim?
  • Como posso evitar a recorrência de aplicações?
  • Existem restrições durante o tratamento? Quais são?

Sinta-se à vontade para fazer outras perguntas se elas surgirem durante a sua consulta.

Reconhecimento da Candidíase Peniana

Para diagnosticar a candidíase peniana, um médico pode:

Informar-se sobre o seu historial médico. Isto pode incluir o recolhimento de informação sobre infecções passadas ou doenças sexualmente transmissíveis.
Realizar uma inspeção visual da área. O médico examina visualmente os órgãos afetados pela aplicação. O diagnóstico é clínico. Este teste pode ser usado para verificar se existem outras doenças.

O tratamento da candidíase em humanos é geralmente realizado com drogas antifúngicas e antifúngicas, que são usadas localmente. São fáceis de encontrar nas farmácias e nas farmácias. Em um caso recorrente, também é possível usar medicação oral.

Apenas um médico lhe pode dizer qual é o melhor medicamento para si, bem como a dosagem e a duração do tratamento. Siga sempre as instruções do seu médico e nunca se trate. Observe que a maioria das doenças sexualmente transmissíveis e/ou dermatológicas são diagnosticadas clinicamente, ou seja, o médico deve examinar o local do evento.

Alguns cuidados podem ser necessários para ajudar-te a curar-te. Além da medicação, manter uma dieta saudável e uma boa higiene na área afetada é um importante fator de sucesso no tratamento da candidíase em homens.

Convivendo com a Candidíase Peniana

É importante ser cauteloso desde o dia em que o candidato é diagnosticado até o final do tratamento:

  • Evite beber bebidas alcoólicas
  • É proibido fumar
  • Mantenha-se sempre hidratado
  • Evite relações sexuais nas fases iniciais do tratamento
  • Faça uso de preservativos em todas as relações sexuais
  • Evite alimentos ricos em açúcar e gordura
  • Use cuecas grandes de algodão para manter a sua pele e pênis secos e frescos
  • Evite roupas quentes, apertadas ou molhadas
  • Utilize o medicamento durante um período de tempo determinado pelo seu médico, uma vez que um tratamento incompleto pode levar a candidíase recorrente

Possíveis Complicações da Candidíase Peniana

Se não tratada, a candidíase peniana pode ocorrer em intervalos cada vez mais curtos e intensos. Esta irritação crônica da pele pode levar a uma perda de elasticidade e uma cirurgia corretiva pode ser necessária. O risco de criar condições favoráveis para que o parceiro sexual desenvolva candidíase do pênis ou da vagina aumenta. Em casos mais graves, quando o sistema imunológico está deprimido, a candidíase pode afetar órgãos importantes e até mesmo causar complicações nos rins, pulmões e morte.

Como Fazer a Prevenção da Candidíase Peniana?

  • Higiene íntima regular
  • Mantenha a sua pele limpa e seca
  • Use antibióticos apenas após aconselhamento médico
  • Faça uma dieta saudável (evite alimentos ricos em açúcar)
  • Use preservativos em todas as relações sexuais

Comente