Chocolate

Última atualização em

Coma chocolate regularmente, e isto pode ajudar a evitar ataques cardíacos. Essa é a sugestão de uma pesquisa limitada publicada em julho de 2020 no European Journal of Preventive Cardiology, que descobriu que comer qualquer tipo de chocolate mais de uma vez por semana estava ligado a um risco reduzido de 8% de doença arterial coronária. Quando esta doença progride e o fluxo de sangue para o coração para abruptamente, os ataques cardíacos acontecem.

Os pesquisadores examinaram dados de seis estudos anteriores com um total de 336.289 participantes que forneceram informações sobre sua saúde e hábitos alimentares. Durante um acompanhamento médio de quase nove anos, 14.043 participantes desenvolveram doença arterial coronariana e 4.667 tiveram um ataque cardíaco.

“Nosso estudo sugere que o chocolate ajuda a manter os vasos sanguíneos do coração saudáveis”, diz o autor principal do estudo, Chayakrit Krittanawong, MD, da Faculdade de Medicina Baylor em Houston.

Isto pode ocorrer porque o chocolate – particularmente a variedade escura, segundo a T.H. Chan School of Public Health da Universidade de Harvard – contém nutrientes saudáveis para o coração. Esses nutrientes incluem flavonóides, metilxantinas, polifenóis e ácido esteárico que podem ajudar a reduzir a inflamação e aumentar os níveis do “bom” colesterol HDL que previne o acúmulo de placa nas artérias, o Dr. Krittanawong e sua equipe escrevem.

As limitações do estudo podem significar que o chocolate sozinho não foi responsável por uma melhor saúde do coração

O estudo tem várias limitações.

Para começar, não examinou a quantidade de chocolate que as pessoas comiam cada vez que se alimentavam ou que tipo de chocolate consumiam. Gorduras, leite ou açúcar em produtos de chocolate, assim como o total de calorias, poderiam ter impacto se este tratamento é realmente uma escolha saudável, os autores do estudo apontam.

Pessoas com certas condições de saúde, como obesidade ou diabetes, podem ter que ter mais cuidado para limitar os açúcares ou as calorias em sua dieta, incluindo qualquer chocolate que comam, diz Krittanawong.

Outro inconveniente do estudo é que ele não levou em conta outros alimentos e bebidas que os participantes consumiram, ou quanto exercício eles fizeram. É certamente possível que as pessoas que comeram mais chocolate no estudo tivessem hábitos alimentares mais saudáveis ou melhores rotinas de exercícios que pudessem explicar porque tinham menos probabilidade de desenvolver doença arterial coronariana.

“O chocolate parece promissor para a prevenção da doença das artérias coronárias, mas é necessária mais pesquisa para identificar quanto e que tipo de chocolate poderia ser recomendado”, diz Krittanawong.

Dieta e exercícios podem ajudar a prevenir a doença das artérias coronárias

A doença arterial coronariana, também chamada de doença coronariana ou doença cardíaca isquêmica, é o tipo mais comum de doença cardíaca, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC). Esta condição pode ser um assassino silencioso – as pessoas às vezes só sabem que a têm depois de ter um ataque cardíaco.

Ela se desenvolve com o tempo quando a placa (depósitos de colesterol e outras gorduras e substâncias) se acumula nas paredes das artérias, fornecendo sangue ao coração e ao resto do corpo. À medida que a placa se acumula, as artérias podem estreitar e endurecer, reduzindo o fluxo sanguíneo e eventualmente cortando o suprimento de sangue para o coração.

Fumar, inatividade, obesidade e hábitos alimentares insalubres são fatores de risco para doenças coronarianas, de acordo com o CDC. Os sintomas podem incluir tonturas, fraqueza, náusea, dor no peito e falta de ar.

Estudos científicos há muito tempo associam o chocolate à saúde do coração

Numerosos estudos ao longo dos anos encontraram uma associação entre o chocolate e a saúde do coração, mas a maioria desses estudos não foram concebidos para provar que o chocolate previne diretamente doenças cardíacas ou para mostrar como o consumo de chocolate afeta diretamente a saúde das artérias coronárias.

Um estudo publicado há mais de uma década na Circulação, por exemplo, descobriu que o consumo regular de cacau contendo flavanóis – compostos vegetais também encontrados em chá, frutas e vegetais – melhorou a saúde dos vasos sanguíneos em pessoas com diabetes tipo 2, uma condição que pode levar a um fluxo sanguíneo prejudicado com o tempo. As pessoas com diabetes correm um risco elevado de desenvolver doenças cardíacas, observa o CDC.

Mais recentemente, um estudo publicado em fevereiro de 2020 na Circulation Research descobriu que beber cacau rico em flavanóis poderia aliviar as dores deambulação associadas à doença arterial periférica.

E, um estudo publicado em 2019 no European Journal of Preventive Cardiology descobriu que o consumo de chocolate estava associado a um risco ligeiramente menor de doenças cardiovasculares. O risco foi reduzido em apenas 2%, porém, e foi muito menos pronunciado do que a redução de risco observada com outros alimentos, tais como nozes, grãos inteiros e frutas e vegetais frescos.

Chocolate escuro, amargo e não processado é o mais saudável

“Dizer que o chocolate é saudável é razoável, e alguns estudos demonstraram benefícios cardiovasculares, dentre outros”, diz Samantha Heller, RD, uma nutricionista clínica sênior da NYU Langone Health em Nova York, que não estava envolvida no estudo atual.

Mas a forma em que a maioria dos americanos consome chocolate carece de muitos dos benefícios potenciais à saúde do cacau cru, não processado, diz Heller. Esta popular forma de chocolate é misturada com açúcar, leite, caramelo, conservantes e processada com um álcali que remove muitos dos compostos salubres.

“Quanto mais escuro, e mais amargo, o chocolate, os compostos mais saudáveis permanecem”, diz Heller.

Harvard recomenda que o objetivo seja chocolate preto feito com pelo menos 70% de cacau.

Além disso, fique claro: Cacau cru ou natural, feito de grãos de cacau que são fermentados, secos e torrados, não contém adição de açúcares, gorduras ou produtos lácteos. Este tipo de chocolate ou cacau em pó tem um sabor amargo.

O motivo para evitar o “Dutch Process” do cacau

O chamado “dutch Process” cacau em pó é alcalizado, ou lavado em uma solução contendo carbonato de potássio, para remover o amargor.

Pensa-se que o chocolate não alcalizado melhora o fluxo sanguíneo, aumenta o suprimento de nutrientes aos órgãos e promove o crescimento de novos vasos sanguíneos para manter o oxigênio fluindo por todo o corpo, diz Mary McDermott, MD, professora da Escola de Medicina da Northwestern University Feinberg, em Chicago.

As pessoas que querem comer chocolate com benefícios potenciais para a saúde do coração precisam olhar atentamente o que estão comprando para evitar o cacau que é processado ou misturado com ingredientes como açúcar e gordura, diz o Dr. McDermott, que não estava envolvido no estudo atual.

“Leia o rótulo para descobrir se o chocolate não é alcalinizado”, diz McDermott. “Em geral, a maioria do chocolate – particularmente o de leite – é alcalinizado e não tem os benefícios cardiovasculares”.

Referências

https://www.everydayhealth.com/diet-nutrition/eating-chocolate-regularly-linked-to-lower-heart-attack-risk/

RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES
Cuide da sua saúde.
Receba nossos novos artigos em seu e-mail e fique sempre informado!

Comente