Como ficar calmo quando seu filho está te deixando louco

0
559
Criança levando bronca

Quando se trata da maneira como seu filho pode deixá-lo louco, o céu é o limite. Inúmeras perguntas. Desordens sem parar. Incômodo constante. Humores de montanha-russa. Derretimentos épicos. Necessidades infinitas.

E, é claro, a pandemia só agravou tudo isso. Estamos estressados sobre tudo, desde o estado do mundo até nosso status profissional e nossos sistemas de suporte encolhidos. Estamos com pouco sono e temos um pouco de tempo sozinhos – se tivermos sorte.

Também estamos tentando trabalhar de casa sem perder a cabeça. Um dos psicólogos com quem falei, Christopher Willard, PsyD, diz que seus filhos pequenos apareceram em suas oficinas on-line e seu filho de 2 anos de idade vagou para uma sessão de terapia.

As quebras naturais que tivemos quando entramos no consultório agora são inexistentes, desgastando ainda mais nossos nervos, diz ele.

Em resumo, é uma receita para a raiva borbulhar e transbordar. Portanto, se você não tem agido como se fosse seu melhor eu, faz todo o sentido – por favor, não se espanque! E saiba que há muitas coisas úteis que você pode fazer, desde táticas comportamentais até técnicas de ação rápida e calmante.

Ignorar o comportamento irritante

“Minha técnica favorita para manter a calma enquanto também melhora o comportamento é simplesmente ignorá-la”, diz Catherine Pearlman, PhD, LCSW, fundadora de The Family Coach e autora do livro “Ignore It!

Ignore qualquer comportamento que seja irritante, que procure atenção, ou que ocorra depois de já ter dito não a um pedido – e chuveje seus filhos com atenção quando eles estiverem realizando comportamentos desejáveis, diz ela.

Mudar a dinâmica

Como nossos filhos provavelmente também estão estressados e ansiosos, seu comportamento irritante pode realmente ser a busca de tranquilidade. Eles querem saber que apesar da agitação, tudo estará bem, você ainda estará lá, e os amará e protegerá, diz Shelley Davidow, professora de longa data e autora de “Raising Stress-Proof Kids”.

Responder a esta necessidade mais profunda, diz ela, provavelmente diminuirá suas ações irritantes.

Davidow sugere esculpir 20 minutos para jogar um jogo de tabuleiro, jogar tag, desenhar juntos, ou fazer qualquer outra atividade que tire os dois “da dinâmica de criar estresse”.

Fazer um check-in emocional

“Quando você está mais ligado a suas emoções, você pode fazer melhores escolhas sobre como responder a seus filhos”, diz Tracy L. Daniel, PhD, psicóloga e autora de “Mindfulness for Children”.

Para fazer o check in, basta reservar alguns minutos ao longo do dia para fazer o seguinte:

  • Feche seus olhos.
  • Coloque uma mão sobre sua barriga e a outra sobre seu coração.
  • Observe seu coração bater, inspirar e exalar.
  • Escaneie seu corpo em busca de quaisquer sensações.
  • Finalmente, abra seus olhos e perceba como se sente.

Comunique a segurança – a você mesmo

Como nosso sistema nervoso percebe uma ameaça ou obstáculo quando estamos prestes a perdê-lo, é importante “deixar seu corpo e sua mente saber que você está seguro no momento”, diz Hunter Clarke-Fields, um treinador de atenção e autor de “Raising Good Humans”.

Faça isso caminhando por alguns momentos ou dizendo a si mesmo: “Isto não é uma emergência”. Eu posso lidar com isto” ou “Estou ajudando meu filho”, diz ela.

Fique de castigo

Diga o que você está sentindo, e depois sente-se no chão, conte para trás de 50 por 3s, ou respire fundo, diz Devon Kuntzman, ACC, um treinador de pais e pais de crianças e de projeto de vida.

O segredo, diz ela, é encontrar uma estratégia que funcione bem para você.

Sacudir

Para neutralizar a resposta de seu corpo ao estresse (aumento da pressão sanguínea, músculos tensos) e o excesso de energia alimentado pela frustração, aperte suas mãos, braços e pernas, diz Clarke-Fields.

Curiosamente, “Muitos animais são conhecidos por tremerem dezenas de vezes ao dia para eliminar os efeitos do estresse”, diz ela.

Utilizar a ‘técnica de coerência rápida’.

“Se nos colocarmos em um estado calmo, a pesquisa no Instituto de Matemática Cardíaca mostra que o coração de nossas crianças responderá fisicamente ao nosso estado de coração”, diz Davidow.

Experimente esta técnica desenvolvida pelo HeartMath Institute:

  • Concentre sua atenção no seu coração.
  • Inspire por 6 segundos e expire por 6 segundos, um pouco mais lento e profundo que o normal.
  • Tente sentir ativamente o cuidado ou a gratidão por algo ou alguém.

Faça isso durante 2 minutos (você pode pedir a seus filhos que se juntem a você).

Ir de cabeça para baixo (literalmente)

Estar de cabeça para baixo ajuda a acalmar o sistema nervoso, aumenta o fluxo sanguíneo para o cérebro e lhe dá uma nova perspectiva, diz Daniel.

Ela sugere fazer poses simples de ioga como Downward Dog, Forward Fold, Child’s Pose, ou pernas para cima na parede. Para aumentar os benefícios calmantes, respire de 5 a 10 respirações profundas, acrescenta Daniel.

Relaxe com seus filhos

Isto cria uma oportunidade de se conectar com seus filhos e de gerenciar o estresse de modelos, diz Willard, que também é o autor de “Raising Resilience” (Aumentar a Resiliência).

Por exemplo, diz ele, você poderia fazer uma simples atividade de conscientização: Deitar na rede, explorar o jardim, dar uma caminhada durante o almoço, ou esticar-se à noite.

Repensar a situação

“Perspective é uma de suas mais poderosas ferramentas de criação”, diz Kuntzman.

A psicóloga Eileen Kennedy-Moore, PhD, concorda, observando que as histórias que contamos a nós mesmos sobre o mau comportamento de nossos filhos podem alimentar nossa raiva ou nos levar a responder de maneiras úteis. As histórias que contamos a nós mesmos sobre nossas próprias capacidades também são críticas.

Tente estas mudanças de perspectiva, de acordo com Kuntzman e Kennedy-Moore (respectivamente):

  • Mude “Ela está sendo tão má” para “Ela está passando por um momento difícil”.
  • “Não aguento mais” para “Posso fazer coisas difíceis”. O que eu preciso agora para seguir em frente”?
  • “Estou falhando com meus filhos como pai” para “Estou aprendendo todos os dias e os meus filhos também”.
  • “Ele está sendo tão manipulador” para “Ele está tentando atender às suas necessidades”.
  • “Ela está fazendo isso porque não me respeita” a “Ela está testando seus limites”.
  • “Ele está tentando me irritar!” a “Ele está com fome e muito cansado”.
  • “Eles não se importam com ninguém além de si mesmos!” a “Eles estão frustrados e entediados porque não vêem seus amigos há tanto tempo”.

Encontre o humor

Quando seu filho só vai usar pijama e derramar a tigela inteira de melancia pelo chão, seu primeiro instinto pode ser soluçar, gritar ou perdê-la, diz Pearlman.

Tente rir ao invés disso. “Se pudermos rir de alguma ridicularização da situação ou mesmo de algumas das falhas dos pais, isso pode tornar a vida mais palatável” – e reduzir nosso estresse.

Solução de problemas

Para situações rotineiramente difíceis, envolva seu filho na solução de problemas quando todos estão calmos, diz Kennedy-Moore, autor de “Kid Confidence” (Confiança da Criança). Isto não só pode levar a idéias úteis, como também é mais provável que seu filho coopere com as soluções que ele propõe, diz ela.

Basta descrever a situação e perguntar ao seu filho: “O que podemos fazer para resolver isto” ou “Que idéias você tem para ajudar as coisas a correrem mais tranquilamente”?

Ter consequências claras

Estabelecer expectativas – que incluem habilidades ensináveis – e conseqüências para eliminar o uso de ameaças, diz Christine Fonseca, uma psicóloga educacional e autora de “A Criança Cuidadora”.

Por exemplo, ela e sua família tinham a regra “você bate, você senta”. “A expectativa era que você usasse suas palavras quando estivesse frustrado ou irritado, e não batesse ou jogasse coisas” – algo que eles praticariam regularmente com frases simples como “eu sou louco”.

Se uma criança batesse, eles teriam que sentar por um período de tempo específico, respirar fundo e usar suas palavras.

Comissionar com os outros

Para deixar de se sentir “pai no vácuo”, encontre pelo menos um amigo com quem escrever regularmente sobre como você está se sentindo e com o que você está lutando, diz Pearlman.

Comissionar, brincar sobre uma situação e sentir-se escutado pode ser tremendamente curativo.

Coma alimentos ricos em magnésio

Segundo Daniel, em tempos de estresse, este mineral vital está esgotado, que é precisamente quando mais precisamos dele. “Quando o magnésio está baixo, é difícil manter a calma e não reagir”, explica ele.

Coma plantas de folhas verdes escuras, como espinafre e couve, ou faça um batido com uma banana, abacate e chocolate preto, diz Daniel.

Solicitar apoio

Se você tem um parceiro, apóie-se mutuamente para manter a calma, como se tivesse um sinal secreto.

Kennedy-Moore trabalhou com pais que se ofereciam para trazer um copo de água um ao outro quando um deles estava se levantando. “Aquela pequena distração era freqüentemente suficiente para que eles respirassem e se reagrupassem”.

Faça certo

Como você é humano e inevitavelmente perderá sua calma, certifique-se de pedir desculpas, pedir e aceitar o perdão, consertar e seguir em frente, diz Willard. Esta é uma lição valiosa para seu filho ao enfrentar conflitos e fazer reparações.

O ponto principal

Lembre-se de que você não está sozinho no limite e, felizmente, há muitas estratégias eficazes que você pode empregar. Em última análise, tente se cortar – e seus filhos – um pouco de folga. Ambos estão fazendo o melhor que podem em algumas circunstâncias difíceis.

Referências

How to Stay Calm When Your Kid Is Driving You Crazy
https://www.healthline.com/health/parenting/how-to-stay-calm-when-your-kid-is-driving-you-crazy
Revisado medicamente por Carissa Stephens, R.N., CCRN, CPN – Escrito por Margarita Tartakovsky, MS em 4 de fevereiro de 2021

RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES
Receba nossos novos artigos em seu e-mail e fique sempre informado, é grátis!

Deixe uma resposta