O corpo produz um novo fator de saciedade durante o exercício prolongado

0
902
Correndo

Uma droga que nos ajuda a comer menos poderia ajudar as mais de 650 milhões de pessoas em todo o mundo que vivem com a obesidade. Um dos candidatos a drogas emergentes que interessam aos pesquisadores é o hormônio GDF15 que, quando administrado a roedores, diminui seu apetite e peso corporal. Novas pesquisas da Universidade de Copenhague constatam que o corpo produz grandes quantidades de GDF15 durante longos períodos de exercícios vigorosos, presumivelmente como um sinal de estresse fisiológico.

Esta descoberta destaca as diferenças centrais entre o GDF15 dado como medicamento (farmacologia), e o GDF15 liberado naturalmente em resposta ao exercício vigoroso (fisiologia). Esta é uma distinção importante na compreensão do papel do GDF15 na regulação do apetite e no equilíbrio energético, com implicações para seu papel como um possível medicamento anti-obesidade.

“Se há alguma condição fisiológica que implica o GDF15 como regulador do metabolismo energético permanece um mistério por resolver”, diz o professor associado Christoffer Clemmensen do Centro Novo Nordisk Foundation Center for Basic Metabolic Research (CBMR) da Universidade de Copenhague.

Christoffer Clemmensen, estudante de doutorado Trine Sand Nicolaisen e professor assistente Anders Bue Klein lideraram a pesquisa em colaboração com o Departamento de Exercício Nutricional e Esportes da Universidade de Copenhague e os resultados foram publicados na Nature Communications.

Seu objetivo era compreender melhor o papel fisiológico do GDF15 no metabolismo e comportamento energético. Descobertas recentes em roedores e macacos sugerem que o hormônio, quando administrado farmacologicamente, diminui o apetite, mas também promove náuseas e doenças. Outros estudos mostraram que o medicamento metformina promove a perda de peso ao aumentar os níveis de GDF15.

Diferentes efeitos farmocológicos e fisiológicos do GDF15

No entanto, pouco se sabe sobre como o GDF15 funciona quando liberado naturalmente pelo corpo. Os pesquisadores se propuseram a preencher esta lacuna de conhecimento com uma série de experimentos em humanos e ratos. Entre suas principais descobertas estava que o exercício prolongado além de duas horas em humanos resulta em um aumento de quatro a cinco vezes na circulação do GDF15, sugerindo que o GDF15 funciona como um sinal de estresse induzido pelo exercício.

Para testar esta idéia, os pesquisadores utilizaram modelos animais. Eles descobriram que dar GDF15 a ratos como uma droga reduziu claramente sua motivação para o exercício e reduziu seu apetite. Mas quando os ratos eram exercitados vigorosamente, para estimular a liberação fisiológica do GDF15, ele induzia a mesma resposta sobre o comportamento e a ingestão de alimentos.

Estas descobertas ressaltam uma diferença entre o GDF15 fisiológico e o GDF15 farmacológico. Christoffer Clemmensen enfatiza que são necessários mais estudos para entender este descompasso e se o GDF15 também tem efeitos comportamentais em humanos. Ele e sua equipe agora se concentrarão em esclarecer os efeitos do GDF15 quando produzido pelo corpo.

Referências

The body produces new satiety factor during prolonged exercise
https://medicalxpress.com/news/2021-02-body-satiety-factor-prolonged.html
Klein, A.B., Nicolaisen, T.S., Ørtenblad, N. et al. Pharmacological but not physiological GDF15 suppresses feeding and the motivation to exercise. Nat Commun 12, 1041 (2021). doi.org/10.1038/s41467-021-21309-x

RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES
Receba nossos novos artigos em seu e-mail e fique sempre informado, é grátis!

Deixe uma resposta