Esclerose Múltipla: Como estão as pesquisas?

0
403
Mente

A Esclerose Múltipla é uma condição crônica que afeta 2,8 milhões de pessoas em todo o mundo. Embora as opções de tratamento sejam atualmente limitadas, estão em andamento testes de várias novas abordagens.

Os pesquisadores acreditam que a EM é uma doença auto-imune. Este tipo de doença envolve o sistema imunológico atacando as células saudáveis, da mesma forma que atacaria vírus ou bactérias.

No caso da Esclerose Múltipla, o sistema imunológico ataca a bainha de mielina que envolve as células nervosas. O ataque causa lesões e, com o tempo, estas causam cicatrizes, o que leva a danos aos nervos e a uma função reduzida.

Como resultado deste dano, uma pessoa com EM pode sentir dormência e formigamento, fadiga, fraqueza muscular, tonturas e vertigens, problemas de memória e de visão, entre outros sintomas.

Existem quatro tipos de EM: síndrome clinicamente isolada (CIS), EM recorrente-remitente, Esclerose Múltipla progressiva primária e EM progressiva secundária.

A SIC é um episódio único de sintomas semelhantes à EM que dura pelo menos 24 horas. Pessoas com SIC não necessariamente têm EM, mas experimentar um episódio pode ser o primeiro sinal da condição.

O tratamento da EM envolve cuidados interdisciplinares, incluindo reabilitação, medicamentos modificadores de doenças (DMARD) e terapias complementares e alternativas.

Os cientistas não compreendem totalmente os fatores de risco para a EM e os mecanismos da condição. Entretanto, eles estão fazendo novos avanços na busca de respostas e melhorias no tratamento.

O que as últimas pesquisas mostram sobre os fatores de risco, mecanismos e tratamentos da Esclerose Múltipla? Nesta reportagem especial, a Medical News Today dá uma olhada mais de perto.

Um breve olhar sobre a história da EM

O neurologista francês Jean-Martin Charcot descreveu pela primeira vez as características da MS em 1868Trusted Source. Ele notou as diferenças entre esta condição e o tremor dos agitanos paralisantes, um sintoma da condição neurológica mais tarde chamado doença de Parkinson.

Os três sintomas associados à EM na época foram chamados de tríade de Charcot. Eles incluíam um tremor característico, movimentos involuntários dos olhos, também conhecidos como nistagmo, e discurso de varredura, que alguns chamam de staccato ou discurso explosivo.

Décadas depois, a invenção da ressonância magnética ajudou os médicos a diagnosticar a EM. O tratamento com esteróides tornou-se comum e os médicos começaram então a usar medicamentos em uma classe de medicamentos chamada interferons. A Food and Drug Administration (FDA) aprovou pela primeira vez os interferons para uso em pessoas com EM em 1993.

As incógnitas da EM

Embora cientistas e profissionais da saúde entendam as características que definem a EM, vários aspectos da condição permanecem um mistério.

Embora os pesquisadores reconheçam que a EM é uma condição auto-imune, eles não entendem porque as células imunes atacam a mielina.

Além disso, o diagnóstico da EM ainda é um processo ambíguo Fonte Confiável porque seus sintomas são similares aos de muitas outras condições de saúde.

Além disso, os especialistas não sabem por que as mulheres têm 2-3 vezes mais probabilidade de serem diagnosticadas com a EM do que os homens.

Quem está correndo risco de EM?

ResearchTrusted Source sugere que os fatores de risco da EM incluem a falta de vitamina D ou luz solar, tabagismo, obesidade, um histórico de infecção com o vírus Epstein-Barr, ser do sexo feminino e possivelmente ter herdado genes específicos, bem como fatores ambientais.

Mais recentemente, a microbiota intestinal surgiu como um possível modulador de risco.

Uma síntese recente Fonte confiável de pesquisa clínica descobriu que pessoas com EM tinham populações maiores de Pedobactérias, Flavobacterium, Pseudomonas, Mycoplana, Acinetobacter, Eggerthella, Dorea, Blautia, Streptococcus e bactérias Akkermansia em seus intestinos do que pessoas sem EM.

As pessoas com EM também tinham populações reduzidas das bactérias Prevotella, Bacteroides, Parabacteroides, Haemophilus, Sutterella, Adlercreutzia, Coprobacillus, Lactobacillus, Clostridium, Anaerostipes, e Faecalibacterium.

Os pesquisadores especulam que o equilíbrio das populações de bactérias intestinais em pessoas com EM pode reduzir a inflamação e a ativação excessiva do sistema imunológico.

Como os mecanismos da EM afetam as células nervosas?

Pesquisas do MS Society Edinburgh Centre for MS Research descobriram que pessoas com EM tinham reduzido o número de neurônios inibidores, em comparação com pessoas que não tinham a condição.

Entretanto, as pessoas com EM tinham tantos neurônios estimulantes quanto aquelas sem a condição. Isto era verdade mesmo para pessoas que tinham recebido seus diagnósticos de EM muitos anos antes.

Estas descobertas ajudam a revelar os tipos de neurônios afetados pela EM, esclarecendo mais sobre como a condição evolui dentro do corpo. A pesquisa também pode oferecer uma visão dos tratamentos que poderiam proteger os neurônios visados.

Quais são os últimos tratamentos para a EM?

Os DMARD que as autoridades sanitárias aprovaram recentemente como tratamentos contra a EM incluem cladribineTrusted Source (Mavenclad) e siponimod (Mayzent) para formas progressivas secundárias ativas e recorrentes da condição.

A cladribina tem como alvo linfócitos, glóbulos brancos responsáveis por ataques à mielina. O siponimod aproveita os glóbulos brancos específicos que atacam a mielina e os impede de circular no corpo.

Entretanto, devido a suas interações com o sistema imunológico, estas drogas podem levar a uma redução dos linfócitos, tornando uma pessoa vulnerável a infecções.

As ações dos medicamentos também podem contribuir para a redução das respostas às vacinas em pessoas que recebem vacinações de rotina. Com a introdução das vacinas COVID-19, os cientistas investigaram se as pessoas com EM que tomam medicamentos como o cladribine podem ter respostas adequadas às vacinas.

As últimas pesquisas indicam que as pessoas que tomam cladribina produzem anticorpos protetores para outras vacinas comuns, apesar de terem diminuído os níveis de linfócitos induzidos pelo medicamento.

Este resultado dá aos cientistas e outros da comunidade médica a esperança de que as pessoas que tomam estes medicamentos para a EM terão respostas igualmente adequadas às vacinas COVID-19.

Pesquisa no horizonte

Alguns cientistas estão atualmente investigando o potencial da terapia com células-tronco para a EM. Em um estudo da fase 1, realizado no Instituto Karolinska, em Estocolmo, Suécia, sete pessoas com EM progressiva receberam infusões de células-tronco derivadas da medula óssea de cada participante.

Já 7 dias após a administração da terapia com células-tronco, os pesquisadores encontraram evidências de mudanças positivas no sistema imunológico dos participantes. Com 12 semanas, cinco em cada seis participantes não tiveram novas lesões características nas ressonâncias cerebrais de acompanhamento.

À medida que seu entendimento da condição evolui, muitos cientistas estão investigando a causa raiz da EM.

Uma análise dos dados atuais revelou uma possível conexão entre a saúde intestinal e a condição. Dados revelando relações entre a microbiota intestinal e o cérebro surgem continuamente, e os cientistas estão esperançosos de que modificações na dieta, probióticos e certos medicamentos que equilibram o microbioma intestinal desempenharão um papel no tratamento da EM.

Também em desenvolvimento estão as terapias de remielinização e neuroproteção Fonte Confiável. As últimas visam proteger os axônios e a mielina de maiores danos, enquanto as primeiras poderiam restaurar a função perdida para pessoas com EM.

Enquanto isso, os medicamentos de imunoterapia protegeriam os nervos da destruição e reconstruiriam os neurônios que já sofreram danos.

Outro tratamento potencial nos ensaios da fase 1 é um inibidor do fator de necrose tumoral alfa (TNF-alfa) chamado MYMD-1. O TNF-alfa é um tipo de citocina produzida pelos glóbulos brancos que regula alguns aspectos do sistema imunológico.

A superprodução desta citocina está associada a várias condições auto-imunes, incluindo a EM. MYMD-1 é um novo tipo de bloqueador de fonte TNF-alfa Trusted Source que mostra promessa como tratamento para a EM e outras condições.

Testes para terapias envolvendo o microbioma intestinal Fonte confiável, células-tronco Fonte confiável, tratamentos neuroprotetores Fonte confiável, remielinização Fonte confiável e MYMD-1 ainda estão nos estágios iniciais. No entanto, as possibilidades oferecem a esperança de que a pesquisa contínua levará a formas eficazes de prevenir a EM e melhores métodos de tratamento.

Referências

Multiple sclerosis research: Where are we now?
https://www.medicalnewstoday.com/articles/multiple-sclerosis-research-where-are-we-now
Escrito por Kimberly Drake em 29 de março de 2021 – Fato verificado por Alexandra Sanfins, Ph.D.

RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES
Receba nossos novos artigos em seu e-mail e fique sempre informado, é grátis!

Deixe uma resposta