O que a ciência pode nos dizer sobre os médiuns que ouvem vozes?

Os pesquisadores têm investigado o que caracteriza as pessoas que dizem que podem ouvir as vozes dos mortos.

0
768
Médium

O Espiritismo é um movimento cujos adeptos acreditam que os espíritos das pessoas falecidas continuam a viver após a morte física.

Os médiuns afirmam que têm a capacidade de se comunicar com os espíritos através de vê-los (“clarividentes”), senti-los (“clarividentes”), ou ouvi-los (“clarividentes”).

Estudos das Universidades de Cardiff, Northampton e Lancaster – todas no Reino Unido – argumentam que experiências religiosas e espirituais (RSEs), como a clairaudiência, podem ser úteis como uma comparação com alucinações auditivas de pessoas com certas condições de saúde mental.

A experiência ‘clairaudiente

Um novo estudo, que aparece na revista Saúde Mental, Religião e Cultura, examinou os vínculos entre a comunicação espiritual auditiva vivida por médiuns, crenças e personalidade.

O estudo fazia parte do projeto Hearing the Voice (Ouvir a Voz). O Dr. Adam J. Powell, do Departamento de Teologia e Religião da Universidade de Durham no Reino Unido, e o Dr. Peter Moseley, do Departamento de Psicologia da Universidade de Northumbria, também no Reino Unido, realizaram o estudo.

“Os espíritas tendem a relatar experiências auditivas incomuns [que] são positivas, começam cedo na vida, e [que] muitas vezes são então capazes de controlar”, explica o Dr. Moseley. “Entender como estas se desenvolvem é importante porque poderia nos ajudar a entender mais sobre experiências angustiantes ou não-controláveis de ouvir vozes também”.

Como avaliar a experiência clairaudiente

Os pesquisadores recrutaram 65 participantes espiritualistas, assim como 143 outros participantes para atuar como um grupo de controle populacional geral. A maioria veio do Reino Unido, América do Norte, Australásia e Europa.

A equipe pediu aos participantes que preenchessem versões personalizadas de questionários online que são conhecidos por avaliar vários traços de forma consistente.

Esses questionários eram:

  • A Escala de Absorção Tellegen: Esta escala usa perguntas de sim/não para medir a probabilidade de uma pessoa ficar totalmente imersa em filmes, imagens mentais, música ou pensamentos, semelhantes a estímulos internos e externos. Isto também é chamado de prontidão para absorção.
  • A Escala Revisada de Alucinação de Launay-Slade: Avalia a tendência de um participante a experimentar alucinações auditivas e visuais.
  • A Escala Revisada de Crenças Paranormais: Avalia a percepção dos participantes das crenças religiosas tradicionais, psi (percepção extra-sensorial e capacidade de influenciar entidades físicas sem interação), bruxaria, superstição, formas de vida extraordinárias, pré-conhecimento (a capacidade de ver o futuro) e Espiritualismo.
  • Os Aspectos do Questionário de Identidade IV: Avalia a importância auto-identificada dos participantes da identidade pessoal, identidade relacional, identidade social e identidade coletiva.

Os participantes do grupo espiritualista também preencheram um questionário sobre a frequência, em que contextos e por quanto tempo suas experiências vêm ocorrendo.

Frequência, contexto e localização

A idade média em que os participantes espiritualistas tiveram uma experiência clarividente foi de 21,7 anos, mas a maioria das pessoas experimentou antes dos 20 anos de idade ou por volta dos 40 anos.

Até 44,6% dos entrevistados disseram que tiveram experiências de clairaudiência diariamente, e 33,8% relataram ter tido tal experiência no dia anterior.

Em termos de onde essas experiências estavam ocorrendo, 79% dos participantes disseram que as tiveram tanto em ambientes espiritualistas (como em uma igreja) quanto fora desses ambientes.

Um total de 12,9% dos participantes disseram que suas experiências ocorreram somente fora dos contextos espiritualistas, enquanto outros 8,1% relataram ter experimentado clairaudiência somente dentro dos contextos espiritualistas.

Também, de acordo com os relatórios, 65,1% das experiências de clairaudiência ocorreram dentro da cabeça do médium, 31,7% se manifestaram tanto interna quanto externamente, e 3,2% foram supostamente apenas experiências externas.

Quanto à primeira ocorrência de uma experiência de clairaudiência:

  • De todos os participantes, 44,8% disseram que experimentaram a claudiência antes de encontrar o Espiritismo.
  • De todos os participantes, 29,3% disseram que encontraram o Espiritismo antes de experimentarem a claudiência.
  • De todos os participantes, 25,9% afirmaram que sua primeira experiência de clairaudiência ocorreu ao mesmo tempo em que seu primeiro encontro com o Espiritismo.

O que isto significa

Os do grupo espiritualista eram mais propensos à absorção e alucinação auditiva tanto espiritual como não-espiritual do que o grupo populacional em geral.

Além disso, quanto maior a freqüência da experiência clarividente, maior a propensão à absorção dentro do grupo Espiritualista.

A pesquisa sugere uma associação dentro do grupo geral da população entre crenças espirituais e absorção. Neste grupo, a associação entre crenças espirituais e alucinações-proneness não foi significativa.

O estudo também confirmou descobertas anteriores que sugerem que as pessoas estão mais propensas a se interessar pelo paranormal como consequência de alguma experiência sensorial incomum, e não o contrário.

“Nossas descobertas dizem muito sobre ‘aprendizagem e anseio’. Para nossos participantes, os princípios do Espiritismo parecem fazer sentido tanto das extraordinárias experiências de infância quanto dos freqüentes fenômenos auditivos que eles vivenciam como médiuns praticantes. Mas todas essas experiências podem resultar mais de ter certas tendências ou capacidades iniciais do que de simplesmente acreditar na possibilidade de contatar os mortos se alguém se esforçar o suficiente”.

– Dr. Adam Powell

Surpreendentemente, os pesquisadores descobriram que os espiritualistas não estavam mais dependentes das visões e perspectivas dos outros para formar seu senso de identidade do que a população em geral. De fato, o grupo espiritualista pontuou mais alto na identidade pessoal do que o grupo de controle.

Os participantes do grupo espírita tiveram significativamente menos anos de educação formal. Entretanto, como nenhuma medida do questionário tinha uma associação significativa com a educação, esta característica não pode explicar as diferenças entre os dois grupos.

Os médiuns podem realmente ouvir os mortos?

Esta é uma questão centenária, mas este estudo não examinou a veracidade das experiências espirituais. Em vez disso, ele comparou as alucinações auditivas, crenças e traços de identidade daqueles que se dizem médiuns com os da população em geral.

Como o estudo se baseou em auto-relatos, há dúvidas se algumas das associações podem ser o resultado da própria metodologia. Por exemplo, os participantes podem não ter entendido completamente a diferença entre itens com palavras semelhantes nas quatro escalas e escolheram respostas semelhantes.

Também são necessárias mais pesquisas para avaliar se a absorção predispõe indivíduos a RSEs ou acreditar que as RSEs possam ser plausíveis.

O papel das diferentes culturas, filosofias e sistemas de crença na absorção e na RSE é outra relação complexa que a pesquisa ainda não examinou.

Referências

What can science tell us about mediums who hear voices?
https://www.medicalnewstoday.com/articles/what-can-science-tell-us-about-mediums-who-hear-voices
Escrito por M. Vince, Ph.D. em 23 de janeiro de 2021 – Fato verificado por Rita Ponce, Ph.D.

RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES
Receba nossos novos artigos em seu e-mail e fique sempre informado, é grátis!

Deixe uma resposta