Quando uma pessoa, principalmente uma criança, fica com olhos vermelhos, logo imaginamos: conjuntivite, e lidamos com o problema de maneira leve e superficial, mas essa atitude despreocupada podem causar sérias, seríssimas consequências, o que pode até mesmo causar a cegueira.

Existem outras infecções bacterianas que afetam os olhos, uma delas é o tracoma. O tracoma é uma infecção bacteriana que afeta os olhos. É contagioso, espalhando-se pelo contato com os olhos, pálpebras e secreções do nariz ou da garganta de pessoas infectadas. Ele também pode ser transmitido ao manipular itens infectados, como lenços.

No início, o tracoma pode causar coceira leve e irritação nos olhos e nas pálpebras. Então você pode notar pálpebras inchadas e pus drenando dos olhos. O tracoma não tratado pode levar à cegueira.

O tracoma é a principal causa evitável de cegueira em todo o mundo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 6 milhões de pessoas foram cegadas pelo tracoma. O maior tracoma de cegueira ocorre em áreas pobres da África. Entre as crianças menores de 5 anos, a prevalência de infecções ativas por tracoma pode ser de 60% ou mais.

O tratamento precoce pode ajudar a prevenir complicações do tracoma.

Como diagnosticar

Os sinais e sintomas do tracoma geralmente afetam os dois olhos e podem incluir:

  • Comichão leve e irritação dos olhos e pálpebras
  • Descarga dos olhos contendo muco ou pus
  • Inchaço da pálpebra
  • Sensibilidade à luz (fotofobia)
  • Dor nos olhos

As crianças pequenas são particularmente suscetíveis à infecção. Mas a doença progride lentamente e os sintomas mais dolorosos podem não surgir até a idade adulta.

A Organização Mundial de Saúde identificou cinco etapas no desenvolvimento do tracoma:

  • Inflamação – folicular. A infecção está apenas começando neste estágio. Cinco ou mais folículos – pequenas protuberâncias que contêm linfócitos, um tipo de glóbulo branco – são visíveis com ampliação na superfície interna da pálpebra superior (conjuntiva).
  • Inflamação – intensa. Nesta fase, o seu olho é agora altamente infeccioso e fica irritado, com um espessamento ou inchaço da pálpebra superior.
  • Cicatrizes nas pálpebras. Infecções repetidas levam a cicatrizes da pálpebra interna. As cicatrizes geralmente aparecem como linhas brancas quando examinadas com ampliação. Sua pálpebra pode ficar distorcida e pode se transformar (entrópio).
  • Cílios encravados (triquíase). A cicatriz interna da pálpebra continua a deformar-se, fazendo com que os cílios se voltem para que esfreguem e arranhem a superfície externa transparente do olho (córnea).
  • Turvação da córnea. A córnea é afetada por uma inflamação que é mais comumente vista sob a pálpebra superior. A inflamação contínua, composta por arranhões nos cílios virados, leva a turvação da córnea.

Todos os sinais de tracoma são mais graves na pálpebra superior do que na pálpebra inferior. Com cicatrizes avançadas, a pálpebra superior pode mostrar uma linha grossa.

Além disso, o tecido glandular lubrificante em suas pálpebras – incluindo as glândulas produtoras de lágrimas (glândulas lacrimais) – pode ser afetado. Isso pode levar a uma secura extrema, agravando ainda mais o problema.

Causas

O tracoma é causado por certos subtipos de Chlamydia trachomatis, uma bactéria que também pode causar a infecção sexualmente transmissível por clamídia.

O tracoma se espalha pelo contato com a descarga dos olhos ou do nariz de uma pessoa infectada. Mãos, roupas, toalhas e insetos podem ser rotas de transmissão. Nos países em desenvolvimento, as moscas que procuram os olhos também são um meio de transmissão.

Prevenção

Se você foi tratado de tracoma com antibióticos ou cirurgia, a reinfecção é sempre uma preocupação. Para sua proteção e para a segurança de outras pessoas, assegure-se de que os membros da família ou outras pessoas com quem você mora sejam rastreados e, se necessário, tratados para tracoma.

O tracoma pode ocorrer em todo o mundo, mas é mais comum no Oriente Médio, no norte da África, na África subsaariana e em áreas no sul da Ásia e na China. Quando em regiões onde o tracoma é comum, tome cuidado extra ao praticar uma boa higiene, o que pode ajudar a prevenir a infecção.

Práticas de higiene adequadas incluem:

  • Lavar o rosto e lavar as mãos. Manter os rostos limpos pode ajudar a quebrar o ciclo de reinfecção.
  • Controlando moscas. A redução das populações de moscas pode ajudar a eliminar uma importante fonte de transmissão.
  • Gestão adequada de resíduos. O descarte adequado de resíduos animais e humanos pode reduzir o local de reprodução das moscas.
  • Melhor acesso à água. Ter uma fonte de água doce nas proximidades pode ajudar a melhorar as condições de higiene.

Nenhuma vacina contra o tracoma está disponível, mas a prevenção é possível. A Organização Mundial da Saúde (OMS) desenvolveu uma estratégia para prevenir o tracoma, com o objetivo de eliminá-lo até 2020. A estratégia, denominada SAFE, envolve:

  • Urgência para tratar formas avançadas de tracoma
  • Antibióticos para tratar e prevenir a infecção
  • Limpeza facial
  • Melhorias ambientais, particularmente em água, saneamento e controle de moscas

Tratamento

As opções de tratamento do tracoma dependem do estágio da doença.

Medicamentos

Nos estágios iniciais do tracoma, o tratamento apenas com antibióticos pode ser suficiente para eliminar a infecção. O seu médico pode prescrever pomada oftálmica de tetraciclina ou azitromicina oral (Zithromax). A azitromicina parece ser mais eficaz que a tetraciclina, mas é mais cara.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda o uso de antibióticos em toda a comunidade quando mais de 10% das crianças forem afetadas pelo tracoma. O objetivo desta diretriz é tratar qualquer um que tenha sido exposto ao tracoma e reduzir a disseminação do tracoma.

Cirurgia

O tratamento de estágios posteriores do tracoma – incluindo deformidades palpebrais dolorosas – pode exigir cirurgia. As diretrizes da OMS recomendam a cirurgia para pessoas com estágio avançado de tracoma.

Na cirurgia de rotação palpebral (rotação tarsal bilamelar), o médico faz uma incisão na pálpebra cicatrizada e gira os cílios para longe da córnea. O procedimento limita a progressão da cicatriz corneana e pode ajudar a evitar mais perda de visão.

Se a sua córnea ficou embaçada o suficiente para prejudicar seriamente sua visão, o transplante de córnea pode ser uma opção que pode melhorar a visão. Freqüentemente, porém, com o tracoma, esse procedimento não apresenta bons resultados.

Você pode ter um procedimento para remover os cílios (depilação) em alguns casos. Este procedimento pode precisar ser feito repetidamente. Outra opção temporária, se a cirurgia não for uma opção disponível, é colocar uma bandagem adesiva sobre os cílios para evitar que ela toque no olho.

Comente