Cidade de São Paulo: Ruído e poluição

Na peça, uma equipe internacional de especialistas argumenta que há evidências claras ligando a poluição atmosférica e sonora a um aumento do risco de doenças cardiovasculares.

O artigo, publicado no European Heart Journal, identifica uma série de estratégias que podem ajudar a reduzir os efeitos que a poluição do ar e o ruído podem ter sobre a saúde cardiovascular.

Saúde cardiovascular e poluição

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 17,9 milhões de pessoas morrem de doenças cardiovasculares em todo o mundo a cada ano. Isto faz dela a principal causa mundial de mortalidade.

A OMS define doença cardiovascular como um termo guarda-chuva para uma coleção de doenças que afetam o coração e os vasos sanguíneos de uma pessoa. Quatro em cada cinco mortes devido a doenças cardiovasculares ocorrem devido a um ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral.

Pesquisas demonstraram que a genética pode tornar uma pessoa mais suscetível a doenças cardiovasculares. Entretanto, os fatores ambientais – nos quais uma pessoa pode ser capaz de agir – também desempenham um papel importante.

De acordo com a OMS, os principais fatores ambientais das doenças cardiovasculares incluem uma dieta não saudável, baixos níveis de atividade física, tabagismo e consumo excessivo de álcool.

Mais recentemente, porém, os cientistas conduziram pesquisas que parecem indicar uma ligação entre os poluentes ambientais e as doenças cardiovasculares. Estes incluem tanto os poluentes do ar quanto os sonoros.

No presente artigo, os autores argumentam que o atendimento a essas formas de poluição é importante para reduzir a mortalidade por doenças cardiovasculares.

Provas crescentes

Os autores reconhecem que embora a evidência de ligações entre poluição atmosférica e sonora e doenças cardiovasculares se acumule, a compreensão dos efeitos específicos de cada fator é mais difícil. Isto se deve em parte ao fato de que a poluição do ar e o ruído são freqüentemente causados pelos mesmos problemas.

Por exemplo, uma estrada movimentada leva a uma quantidade significativa de ruído do contato das rodas dos veículos e da superfície da estrada. Enquanto isso, os motores de combustão dos veículos e o desgaste da frenagem podem produzir uma quantidade significativa de poluição do ar particulado.

Libertar os dois fatores para entender melhor o quanto cada um deles contribui para prejudicar a saúde cardiovascular é um desafio.

No entanto, os autores destacam um relatório para a Comissão Européia que estima que a poluição do ar e do ruído poderia custar à Europa cerca de 1 trilhão de euros – significativamente mais do que o álcool e o fumo.

Em outra pesquisa destacada no artigo, as mortes prematuras globais devidas à poluição do ar foram estimadas em quase 9 milhões.

E uma revisão realizada para a OMS constatou que o ruído do tráfego rodoviário aumenta o risco de doenças cardíacas isquêmicas de uma pessoa em 8% para cada 10 decibéis de ruído.

Mecanismos em potencial

Os autores do artigo sugerem que a poluição sonora pode afetar a saúde cardiovascular de uma pessoa, quer ela esteja acordada ou dormindo.

Durante as horas de vigília, a poluição sonora pode fazer uma pessoa se sentir irritada ou zangada, causando estresse. Isto pode resultar em aumento do estresse oxidativo e inflamação, o que pode prejudicar a saúde cardiovascular.

Por outro lado, a poluição sonora pode perturbar os ciclos do sono, que são importantes para a saúde cardiovascular.

Os autores destacam que a poluição do ar também pode causar danos cardiovasculares de diversas maneiras. Estas incluem, a curto prazo, o endurecimento das artérias e o aumento da coagulabilidade do sangue e, a longo prazo, o acúmulo de placas nos vasos sanguíneos.

O autor principal do artigo – Dr. Thomas Münzel, chefe do departamento de cardiologia do centro médico da Universidade Johannes Gutenberg de Mainz, na Alemanha – acredita que a redução da poluição do ar para os níveis recomendados pela OMS, principalmente através da eliminação gradual dos combustíveis fósseis, “poderia evitar cerca de 400.000-500.000 mortes excessivas de europeus”.

Mitigação da poluição

Dados os efeitos nocivos desses poluentes ambientais, deve ser dada mais ênfase na busca de formas eficazes de mitigá-los, argumentam os autores.

A maneira mais eficaz de reduzir a poluição sonora depende, é claro, de sua causa.

Os autores observam que as opções abertas aos indivíduos e governos locais têm um efeito mínimo por si só. Como conseqüência, sugerem que são necessárias múltiplas intervenções em áreas mais fortemente afetadas pela poluição sonora.

Estas podem incluir a instalação de janelas redutoras de ruído, o uso de superfícies de estrada mais silenciosas e pneus de baixo ruído, a redução dos limites de velocidade e a instalação de barreiras redutoras de ruído.

Os autores também relatam que a forma mais importante de mitigar a poluição do ar é através de intervenções governamentais. No entanto, “o impulso político necessário para realizar isto globalmente é atualmente limitado”, observam eles.

Consequentemente, eles destacam as ações que os indivíduos podem tomar, além de eleger governos que levam a poluição ambiental mais a sério.

Estas ações incluem o uso de máscaras, tais como respiradores N95, que são projetados para remover partículas prejudiciais do ar, evitando rotas através de áreas altamente poluídas, e o exercício.

Atualmente, entretanto, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) não recomendam os respiradores N95 para uso público, uma vez que estes são suprimentos críticos para trabalhadores da saúde e outros primeiros socorros médicos durante a pandemia COVID-19 em andamento.

Os autores do artigo destacam que o exercício é importante, mesmo que leve uma pessoa através de uma área poluída porque os benefícios do exercício muito provavelmente superam os danos da poluição do ar. No entanto, se uma pessoa tem escolha, o exercício fora de áreas poluídas é a melhor opção.

Os autores também sugerem que tanto a poluição atmosférica quanto a sonora podem ser mitigadas através de um melhor projeto urbano.

Isto inclui a criação de moradias e áreas urbanas que incentivem a caminhada, a bicicleta e o uso do transporte público e a garantia de que os empreendimentos urbanos tenham muito verde, mas mantenham proximidade e compactação.

Finalmente, os autores observam que é importante aumentar os detalhes das investigações sobre a ligação entre a poluição ambiental e as doenças cardiovasculares.

Tendo a evidência mais convincente e precisa possível, clínicos, instituições de caridade, grupos de interesse e indivíduos estão na melhor posição para encorajar governos e organizações internacionais a decretar mudanças sistêmicas.

Referências

Medicalnewstoday.com | Do noise and air pollution impact cardiovascular disease risk?

RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES
Cuide da sua saúde.
Receba nossos novos artigos em seu e-mail e fique sempre informado!

Comente