Dormência e fraqueza podem ocorrer em muitas áreas do nosso corpo a qualquer momento.

De dormir da maneira errada a permanecer sentado por um longo período, a maioria de nós já experimentou algum tipo de dormência ou fraqueza ao mesmo tempo. Embora a condição possa durar pouco tempo, pode haver problemas de saúde subjacentes que tornem o problema mais grave.

Dormência e Fraqueza nas Mãos, Dedos e Pulsos

Muitas vezes, quando temos dormência ou fraqueza no dedo, na mão ou no pulso, pode ser devido a tarefas diárias ou repetitivas que sobrecarregam ou imobilizam essa área em particular.

Por exemplo:

  • Dormir em uma posição desconfortável
  • Usar um computador ou dispositivo móvel
  • Pintar

No entanto, realizar essas tarefas regularmente pode levar a problemas de longo prazo, incluindo:

  • Síndrome do túnel carpal
  • Lesão do plexo braquial
  • Cisto de gânglio
  • Lesão nervosa ou irritação
  • Compressão nervosa
  • Neuropatia periférica

Dormência e Fraqueza no Ombro

Toda vez que nossos braços se movem, nossas articulações se movem.

Em algum momento, a maioria de nós sente dormência ou fraqueza no ombro, seja de:

  • Atividades diárias
  • Prejuízo
  • Envelhecimento
  • Desgaste e rasgo simples

Causas comuns de dormência e fraqueza no ombro podem incluir:

  • Lesão do manguito rotador
  • Impacto do ombro
  • Luxação do ombro
  • Lesão do plexo braquial

Neuropatia Periférica

A neuropatia periférica, um resultado de danos nos nervos periféricos, frequentemente causa fraqueza, dormência e dor, geralmente nas mãos e nos pés. Também pode afetar outras áreas do seu corpo.

Seu sistema nervoso periférico envia informações do cérebro e da medula espinhal (sistema nervoso central) para o resto do corpo. A neuropatia periférica pode resultar de lesões traumáticas, infecções, problemas metabólicos, causas hereditárias e exposição a toxinas. Uma das causas mais comuns é a diabetes mellitus.

Pessoas com neuropatia periférica geralmente descrevem a dor como esfaqueamento, queimação ou formigamento. Em muitos casos, os sintomas melhoram, especialmente se causados ​​por uma condição tratável. Medicamentos podem reduzir a dor da neuropatia periférica.

Cada nervo do seu sistema periférico tem uma função específica, portanto, os sintomas dependem do tipo de nervo afetado. Os nervos são classificados em:

  • Nervos sensoriais que recebem sensação, como temperatura, dor, vibração ou toque, da pele
  • Nervos motores que controlam o movimento muscular
  • Nervos autonômicos que controlam funções como pressão arterial, freqüência cardíaca, digestão e bexiga

Sinais e sintomas de neuropatia periférica podem incluir:

  • Início gradual de dormência, formigamento ou formigamento nos pés ou nas mãos, que podem se espalhar para as pernas e braços
  • Sharp, jabbing, latejante, congelamento ou dor ardente
  • Sensibilidade extrema ao toque
  • Falta de coordenação e queda
  • Fraqueza muscular ou paralisia se os nervos motores forem afetados
Suor nas mãos

Se os nervos autonômicos forem afetados, os sinais e sintomas podem incluir:

  • Intolerância ao calor e sudorese alterada
  • Problemas intestinais, de bexiga ou digestivos
  • Alterações na pressão arterial, causando tontura ou vertigens

A neuropatia periférica pode afetar um nervo (mononeuropatia), dois ou mais nervos em diferentes áreas (mononeuropatia múltipla) ou muitos nervos (polineuropatia). Síndrome do túnel do carpo é um exemplo de mononeuropatia. A maioria das pessoas com neuropatia periférica tem polineuropatia.

Neuropatia Diabética

Na neuropatia diabética, o dano nervoso ocorre em um padrão ascendente. Os primeiros nervos a avariar são aqueles que viajam mais longe do cérebro. Dor e dormência são tipicamente sentidas primeiro nos dois pés, seguido por uma progressão gradual nas pernas. Mais tarde, os dedos, mãos e braços podem ficar afetados. Os sintomas são frequentemente piores à noite.

Além da dor e dormência, outros sintomas da neuropatia periférica podem incluir:

  • Reduzida capacidade de sentir dor ou mudanças de temperatura
  • Sensações de formigamento ou queimação
  • Dores ou cãibras afiadas
  • Maior sensibilidade ao toque
  • Fraqueza muscular
  • Perda de reflexos, principalmente no tornozelo
  • Perda de equilíbrio e coordenação
  • Sérios problemas nos pés, como úlceras, infecções, deformidades e dores nas articulações

Embora o diabetes seja o fator de risco mais comum para a neuropatia periférica, a condição também pode ser causada por trauma físico, distúrbios renais, abuso de álcool, doenças autoimunes e certas infecções ou cânceres.

A dor associada com danos nos nervos é muitas vezes difícil de controlar. O tratamento efetivo que proporciona alívio ao paciente depende muito da identificação e tratamento da causa subjacente. Quanto mais cedo o paciente procurar aconselhamento e tratamento, maior a chance de administrar ou reverter a condição.

Além de um exame físico minucioso, revisão do estilo de vida e exames laboratoriais, seu médico pode contar com uma variedade de testes para determinar o tipo e a extensão da neuropatia, incluindo:

  • Velocidade de condução nervosa (VCN) – uma sonda elétrica que mede quão bem fibras nervosas grandes conduzem impulsos.
  • Eletromiografia (EMG) – uma agulha fina é inserida em um músculo para registrar a atividade elétrica quando os músculos estão contraídos em repouso;
  • Ressonância magnética (RM) – imagem digital que mostra a qualidade e o tamanho muscular e pode descartar tumores e danos ao disco que possam estar causando os sintomas;
  • Biópsia de nervo – um procedimento mais invasivo que envolve a remoção e exame de uma amostra de tecido nervoso;
  • Biópsia da pele – um procedimento menos invasivo que envolve a remoção de uma amostra de pele fina e o exame das terminações das fibras nervosas.

O tratamento da neuropatia periférica é focado no manejo da condição subjacente que causa a neuropatia e no alívio dos sintomas para ajudar os pacientes a manter sua qualidade de vida. Abordar a condição subjacente é a maneira mais eficaz de gerenciar ou reverter a condição. E há uma pesquisa empolgante e emergente em torno do uso de certos medicamentos para prevenir, ou mesmo reverter, os sintomas da neuropatia periférica.

Mais importante ainda, não ignore a dor ou os sentimentos entorpecidos em seus pés ou pernas, especialmente se for diabético. O diagnóstico precoce é a chave para reduzir o impacto da neuropatia em sua vida. 

Outras Possíveis Causas

  • Formigamento ou dor nos dedos ou na mão (especialmente na mão esquerda) podem ser sinais de um ataque cardíaco.
  • O diabetes pode alterar a forma como as mãos normalmente sentem ou sentem o toque. A diminuição da sensibilidade nas mãos é comum devido à diminuição do fluxo sanguíneo para as mãos ou aos nervos da mão.
  • A gravidez pode causar vermelhidão, coceira, inchaço, dormência ou formigamento, que geralmente desaparece após o parto.
  • A osteoartrite é a degradação progressiva do tecido que protege e amortece as articulações (cartilagem). Pode causar rigidez e dor ao movimento.
  • A artrite reumatoide pode causar rigidez e dor com o movimento. Com o tempo, a deformidade dos dedos pode ocorrer. Veja uma foto da artrite reumatoide.
  • O lúpus é uma doença auto-imune de longa duração na qual o sistema imunológico ataca os tecidos normais do corpo como se fossem substâncias estranhas. Pode causar dor nas articulações.
  • A gota é uma doença inflamatória das articulações que causa dor aguda e inchaço. É uma forma de artrite que se desenvolve quando cristais de ácido úrico se formam dentro e ao redor das articulações, comumente afetando a articulação do dedão do pé.
  • O fenômeno de Raynaud é uma condição na qual algumas áreas do corpo, geralmente dedos das mãos ou dos pés, têm uma resposta extrema à temperatura fria ou ao estresse emocional. Durante um ataque de Raynaud, os vasos sanguíneos nas áreas afetadas se contraem, limitando severamente o fluxo de sangue para a pele, causando dormência, formigamento, inchaço, dor e cor pálida.
  • A infecção pode causar dor, vermelhidão e inchaço que ocorrem com estrias vermelhas, calor, febre ou drenagem de pus. Uma infecção freqüentemente causa sensibilidade ao toque ou dor com movimento no local da infecção.

Comente