A epilepsia é um distúrbio crônico que causa convulsões recorrentes e não provocadas. Um ataque é uma corrida súbita de atividade elétrica no cérebro.

Existem dois tipos principais de convulsões. Convulsões generalizadas afetam todo o cérebro. Crises focais ou parciais afetam apenas uma parte do cérebro.

Uma convulsão leve pode ser difícil de reconhecer. Pode durar alguns segundos durante os quais você não tem consciência.

Convulsões mais fortes podem causar espasmos e contrações musculares incontroláveis, e podem durar de alguns segundos a vários minutos. Durante um ataque mais forte, algumas pessoas ficam confusas ou perdem a consciência. Depois você pode não ter lembrança disso.

Existem várias razões pelas quais você pode ter uma convulsão. Essas incluem:

A epilepsia é um distúrbio neurológico bastante comum que afeta 65 milhões de pessoas em todo o mundo. Nos Estados Unidos, afeta cerca de 3 milhões de pessoas.

Qualquer pessoa pode desenvolver epilepsia, mas é mais comum em crianças pequenas e adultos mais velhos. Ocorre ligeiramente mais nos machos do que nas fêmeas.

Não há cura para a epilepsia, mas o distúrbio pode ser controlado com medicamentos e outras estratégias.

Quais são os sintomas da epilepsia?

Convulsões e ataques epiléticos são os principais sintomas da epilepsia. Os sintomas diferem de pessoa para pessoa e de acordo com o tipo de convulsão.

Convulsões focais (parciais)

Uma crise parcial simples não envolve perda de consciência. Os sintomas incluem:

  • alterações no paladar, olfato, visão, audição ou tato
  • tontura
  • formigamento e contração dos membros

Crises parciais complexas envolvem perda de consciência ou consciência. Outros sintomas incluem:

  • olhando fixamente
  • falta de resposta
  • realizando movimentos repetitivos

Convulsões generalizadas

Convulsões generalizadas envolvem todo o cérebro. Existem seis tipos:

Crises de ausência , que costumavam ser chamadas de “convulsões do pequeno mal”, causam um olhar vazio. Este tipo de convulsão também pode causar movimentos repetitivos, como batendo ou piscando. Geralmente também há uma pequena perda de consciência.

As convulsões tônicas causam rigidez muscular.

As convulsões atônicas levam à perda de controle muscular e podem fazer você cair de repente.

As convulsões clônicas são caracterizadas por movimentos musculares repetidos e espasmódicos da face, pescoço e braços.

As convulsões mioclônicas causam espasmos rápidos espontâneos dos braços e pernas.

As convulsões tônico-clônicas costumavam ser chamadas de “grandes convulsões mal”. Os sintomas incluem:

  • enrijecimento do corpo
  • sacudindo
  • perda de controle da bexiga ou intestino
  • mordendo a língua
  • perda de consciência

Após uma convulsão, você pode não se lembrar de ter um, ou pode se sentir um pouco doente por algumas horas.

O que desencadeia uma crise epiléptica?

Algumas pessoas são capazes de identificar coisas ou situações que podem desencadear convulsões.

Alguns dos gatilhos mais comumente relatados são:

  • falta de dormir
  • doença ou febre
  • estresse
  • luzes brilhantes, luzes piscando ou padrões
  • cafeína, álcool, medicamentos ou drogas
  • pular refeições, comer demais ou ingredientes alimentares específicos

Identificar gatilhos nem sempre é fácil. Um único incidente nem sempre significa que algo é um gatilho. Geralmente é uma combinação de fatores que desencadeiam uma convulsão.

Uma boa maneira de encontrar seus gatilhos é manter um diário de convulsões. Após cada ataque, observe o seguinte:

  • dia e hora
  • em qual atividade você estava envolvido
  • o que estava acontecendo ao seu redor
  • vistas, cheiros ou sons incomuns
  • estressores incomuns
  • o que você estava comendo ou quanto tempo passou desde que você comeu
  • seu nível de fadiga e quão bem você dormiu na noite anterior

Você também pode usar seu diário de apreensão para determinar se seus medicamentos estão funcionando. Observe como você se sentiu logo antes e logo após a convulsão e quaisquer efeitos colaterais.

Leve o diário consigo quando visitar o médico. Pode ser útil para ajustar seus medicamentos ou explorar outros tratamentos.

A epilepsia é hereditária?

Pode haver até 500 genes relacionados à epilepsia. A genética também pode fornecer a você um “limiar convulsivo” natural. Se você herdar um baixo limiar de convulsão, estará mais vulnerável a desencadeantes de convulsões. Um limite mais alto significa que você tem menos chances de ter convulsões.

A epilepsia às vezes é executada em famílias. Ainda assim, o risco de herdar a condição é bastante baixo. A maioria dos pais com epilepsia não tem filhos com epilepsia.

Em geral, o risco de desenvolver epilepsia aos 20 anos é de cerca de 1% , ou 1 em cada 100 pessoas. Se você tem um pai com epilepsia devido a uma causa genética, seu risco aumenta para algo entre 2 e 5 por cento.

Se seu pai tem epilepsia devido a outra causa, como acidente vascular cerebral ou lesão cerebral, isso não afeta suas chances de desenvolver epilepsia.

Certas condições raras, como esclerose tuberosa e neurofibromatose, podem causar convulsões. Estas são condições que podem ser executadas em famílias.

A epilepsia não afeta sua capacidade de ter filhos. Mas alguns medicamentos para epilepsia podem afetar seu feto. Não pare de tomar seus medicamentos, mas converse com seu médico antes de engravidar ou assim que souber que está grávida.

Se você tem epilepsia e está preocupado em começar uma família, considere organizar uma consulta com um conselheiro genético.

O que causa a epilepsia?

Para 6 de 10 pessoas com epilepsia, a causa não pode ser determinada. Uma variedade de coisas pode levar a convulsões.

Causas possíveis incluem:

  • traumatismo crâniano
  • cicatrizes no cérebro após uma lesão cerebral (epilepsia pós-traumática)
  • doença grave ou febre muito alta
  • acidente vascular cerebral, que é uma das principais causas de epilepsia em pessoas com mais de 35 anos
  • outras doenças vasculares
  • falta de oxigênio para o cérebro
  • tumor cerebral ou cisto
  • demência ou doença de Alzheimer
  • uso de drogas maternas, lesão pré-natal, malformação cerebral ou falta de oxigênio no nascimento
  • doenças infecciosas, como AIDS e meningite
  • distúrbios genéticos ou de desenvolvimento ou doenças neurológicas

A hereditariedade desempenha um papel em alguns tipos de epilepsia. Na população geral, há 1% de chance de desenvolver epilepsia antes dos 20 anos de idade. Se você tem um pai cuja epilepsia está ligada à genética, isso aumenta seu risco para 2 a 5% .

A genética também pode tornar algumas pessoas mais suscetíveis a convulsões provocadas por fatores ambientais.

A epilepsia pode se desenvolver em qualquer idade. O diagnóstico geralmente ocorre na primeira infância ou após os 60 anos.

Como a epilepsia é diagnosticada?

Se você suspeitar que teve uma convulsão, consulte seu médico assim que possível. Uma convulsão pode ser um sintoma de um sério problema médico.

Seu histórico médico e sintomas ajudarão seu médico a decidir quais exames serão úteis. Você provavelmente terá um exame neurológico para testar suas habilidades motoras e funcionamento mental.

Para diagnosticar a epilepsia, outras condições que causam convulsões devem ser descartadas. Seu médico provavelmente pedirá um hemograma completo e química do sangue.

Os exames de sangue podem ser usados ​​para procurar:

  • sinais de doenças infecciosas
  • função hepática e renal
  • níveis de glicose no sangue

Eletroencefalograma (EEG) é o teste mais comum usado no diagnóstico de epilepsia. Primeiro, os eletrodos são anexados ao seu couro cabeludo com uma pasta. É um teste não invasivo e indolor. Você pode ser solicitado a executar uma tarefa específica. Em alguns casos, o teste é realizado durante o sono. Os eletrodos registrarão a atividade elétrica do seu cérebro. Se você está tendo uma convulsão ou não, as alterações nos padrões de ondas cerebrais normais são comuns na epilepsia.

Testes de imagem podem revelar tumores e outras anormalidades que podem causar convulsões. Esses testes podem incluir:

  • Tomografia computadorizada
  • Ressonância magnética
  • tomografia por emissão de positrões (PET)
  • tomografia computadorizada de emissão de fóton único

A epilepsia é geralmente diagnosticada se você tiver convulsões sem motivo aparente ou reversível.

Como a epilepsia é tratada?

A maioria das pessoas consegue controlar a epilepsia. Seu plano de tratamento será baseado na gravidade dos sintomas, sua saúde e como você reage à terapia.

Algumas opções de tratamento incluem:

  • Anti-epilépticos (anticonvulsivantes, anticonvulsivantes): Estes medicamentos podem reduzir o número de convulsões que você tem. Em algumas pessoas, elas eliminam as convulsões. Para ser eficaz, o medicamento deve ser tomado exatamente como prescrito.
  • Estimulador do nervo vago : este dispositivo é cirurgicamente colocado sob a pele do tórax e estimula eletricamente o nervo que atravessa o pescoço. Isso pode ajudar a evitar convulsões.
  • Dieta cetogênica: Mais da metade das pessoas que não respondem à medicação se beneficiam dessa dieta rica em gorduras e pouco carboidrato.
  • Cirurgia cerebral: a área do cérebro que causa a atividade convulsiva pode ser removida ou alterada.

A pesquisa de novos tratamentos está em andamento. Um tratamento que pode estar disponível no futuro é a estimulação cerebral profunda. É um procedimento no qual os eletrodos são implantados em seu cérebro. Então um gerador é implantado em seu peito. O gerador envia impulsos elétricos ao cérebro para ajudar a diminuir as convulsões.

Outro caminho de pesquisa envolve um dispositivo parecido com marca-passo. Verificaria o padrão de atividade cerebral e enviaria uma carga elétrica ou uma droga para impedir uma convulsão.

Cirurgias minimamente invasivas e radiocirurgia também estão sendo investigadas.

Medicamentos para epilepsia

O tratamento de primeira linha para a epilepsia é a medicação anticonvulsivante. Essas drogas ajudam a reduzir a frequência e a gravidade das convulsões. Eles não podem parar uma convulsão que já está em andamento, nem é uma cura para a epilepsia.

A medicação é absorvida pelo estômago. Então, ele viaja pela corrente sanguínea até o cérebro. Afeta os neurotransmissores de uma forma que reduz a atividade elétrica que leva às convulsões.

Medicamentos anticonvulsivos passam pelo trato digestivo e deixam o corpo através da urina.

Existem muitos medicamentos anticonvulsivos no mercado. Seu médico pode prescrever um único medicamento ou uma combinação de drogas, dependendo do tipo de convulsão que você tem.

Medicamentos comuns para epilepsia incluem:

  • Levetiracetam (Keppra)
  • lamotrigina (Lamictal)
  • topiramato (Topamax)
  • ácido valpróico (Depakote)
  • carbamazepina (Tegretol)
  • etossuximida (Zarontin)

Estes medicamentos estão geralmente disponíveis em comprimidos, líquidos ou formas injetáveis ​​e são tomados uma ou duas vezes por dia. Você começará com a menor dose possível, que pode ser ajustada até começar a funcionar. Estes medicamentos devem ser tomados de forma consistente e conforme prescrito.

Alguns efeitos colaterais em potencial podem incluir:

  • fadiga
  • tontura
  • erupção cutânea
  • coordenação deficiente
  • problemas de memória

Raros, mas os efeitos colaterais graves incluem depressão e inflamação do fígado ou outros órgãos.

A epilepsia é diferente para todos, mas a maioria das pessoas melhora com medicação anticonvulsivante. Algumas crianças com epilepsia param de ter convulsões e podem parar de tomar medicação.

A cirurgia é uma opção para o tratamento da epilepsia?

Se a medicação não pode diminuir o número de convulsões, outra opção é a cirurgia.

A cirurgia mais comum é uma ressecção. Isso envolve a remoção da parte do cérebro onde as crises começam. Na maioria das vezes, o lobo temporal é removido em um procedimento conhecido como lobectomia temporal. Em alguns casos, isso pode interromper a atividade convulsiva.

Em alguns casos, você ficará acordado durante esta cirurgia. Isso é para que os médicos possam falar com você e evitar a remoção de parte do cérebro que controla funções importantes, como visão, audição, fala ou movimento.

Se a área do cérebro é muito grande ou importante para remover, há outro procedimento chamado transecção subpial múltipla ou desconexão. O cirurgião faz cortes no cérebro para interromper o trajeto do nervo. Isso evita que as convulsões se espalhem para outras áreas do cérebro.

Cirurgia

Após a cirurgia, algumas pessoas são capazes de reduzir os medicamentos anticonvulsivantes ou até mesmo parar de tomá-los.

Existem riscos para qualquer cirurgia, incluindo uma reação ruim à anestesia, sangramento e infecção. Cirurgia do cérebro pode, por vezes, resultar em alterações cognitivas. Discuta os prós e contras dos diferentes procedimentos com o seu cirurgião e procure uma segunda opinião antes de tomar uma decisão final.

Recomendações dietéticas para pessoas com epilepsia

A dieta cetogênica é frequentemente recomendada para crianças com epilepsia. Esta dieta é pobre em carboidratos e rica em gorduras. A dieta força o corpo a usar gordura como energia, em vez de glicose, um processo chamado cetose.

A dieta requer um equilíbrio rigoroso entre gorduras, carboidratos e proteínas. É por isso que é melhor trabalhar com nutricionista ou nutricionista. As crianças com essa dieta devem ser cuidadosamente monitoradas por um médico.

A dieta cetogênica não beneficia a todos. Mas quando seguido corretamente, muitas vezes é bem sucedido na redução da frequência de convulsões. Funciona melhor para alguns tipos de epilepsia do que outros.

Alimentação na Infância

Para adolescentes e adultos com epilepsia, uma dieta modificada de Atkins pode ser recomendada. Esta dieta também é rica em gordura e envolve uma ingestão controlada de carboidratos.

Cerca de metade dos adultos que experimentam a dieta modificada de Atkins experimentam menos convulsões. Os resultados podem ser vistos com a brevidade de alguns meses.

Como essas dietas tendem a ser pobres em fibras e ricas em gordura, a constipação é um efeito colateral comum.

Converse com seu médico antes de iniciar uma nova dieta e verifique se você está recebendo nutrientes vitais. Em qualquer caso, não comer alimentos processados ​​pode ajudar a melhorar sua saúde.

Se você tem epilepsia e está preocupado em começar uma família, considere organizar uma consulta com um conselheiro genético.

Quais são as Causas da Epilepsia?

Para 6 de 10 pessoas com epilepsia, a causa não pode ser determinada. Uma variedade de coisas pode levar a convulsões.

Causas possíveis incluem:

  • traumatismo crâniano
  • cicatrizes no cérebro após uma lesão cerebral (epilepsia pós-traumática)
  • doença grave ou febre muito alta
  • acidente vascular cerebral, que é uma das principais causas de epilepsia em pessoas com mais de 35 anos
  • outras doenças vasculares
  • falta de oxigênio para o cérebro
  • tumor cerebral ou cisto
  • demência ou doença de Alzheimer
  • uso de drogas maternas, lesão pré-natal, malformação cerebral ou falta de oxigênio no nascimento
  • doenças infecciosas, como AIDS e meningite
  • distúrbios genéticos ou de desenvolvimento ou doenças neurológicas

A hereditariedade desempenha um papel em alguns tipos de epilepsia. Na população geral, há 1% de chance de desenvolver epilepsia antes dos 20 anos de idade. Se você tem um pai cuja epilepsia está ligada à genética, isso aumenta seu risco para 2 a 5%.

A genética também pode tornar algumas pessoas mais suscetíveis a convulsões provocadas por fatores ambientais.

A epilepsia pode se desenvolver em qualquer idade. O diagnóstico geralmente ocorre na primeira infância ou após os 60 anos.

Como a epilepsia é diagnosticada?

Se você suspeitar que teve uma convulsão, consulte seu médico assim que possível. Uma convulsão pode ser um sintoma de um sério problema médico.

Seu histórico médico e sintomas ajudarão seu médico a decidir quais exames serão úteis. Você provavelmente terá um exame neurológico para testar suas habilidades motoras e funcionamento mental.

Para diagnosticar a epilepsia, outras condições que causam convulsões devem ser descartadas. Seu médico provavelmente pedirá um hemograma completo e química do sangue.

Os exames de sangue podem ser usados ​​para procurar:

  • sinais de doenças infecciosas
  • função hepática e renal
  • níveis de glicose no sangue

Eletroencefalograma (EEG) é o teste mais comum usado no diagnóstico de epilepsia. Primeiro, os eletrodos são anexados ao seu couro cabeludo com uma pasta. É um teste não invasivo e indolor. Você pode ser solicitado a executar uma tarefa específica. Em alguns casos, o teste é realizado durante o sono. Os eletrodos registrarão a atividade elétrica do seu cérebro. Se você está tendo uma convulsão ou não, as alterações nos padrões de ondas cerebrais normais são comuns na epilepsia.

Testes de imagem podem revelar tumores e outras anormalidades que podem causar convulsões. Esses testes podem incluir:

  • Tomografia computadorizada
  • Ressonância magnética
  • tomografia por emissão de positrões (PET)
  • tomografia computadorizada de emissão de fóton único

A epilepsia é geralmente diagnosticada se você tiver convulsões sem motivo aparente ou reversível.

Como a epilepsia é tratada?

A maioria das pessoas consegue controlar a epilepsia. Seu plano de tratamento será baseado na gravidade dos sintomas, sua saúde e como você reage à terapia.

Algumas opções de tratamento incluem:

  • Anti-epilépticos (anticonvulsivantes, anticonvulsivantes): Estes medicamentos podem reduzir o número de convulsões que você tem. Em algumas pessoas, elas eliminam as convulsões. Para ser eficaz, o medicamento deve ser tomado exatamente como prescrito.
  • Estimulador do nervo vago : este dispositivo é cirurgicamente colocado sob a pele do tórax e estimula eletricamente o nervo que atravessa o pescoço. Isso pode ajudar a evitar convulsões.
  • Dieta cetogênica: Mais da metade das pessoas que não respondem à medicação se beneficiam dessa dieta rica em gorduras e pouco carboidrato.
  • Cirurgia cerebral: a área do cérebro que causa a atividade convulsiva pode ser removida ou alterada.
Cérebro

A pesquisa de novos tratamentos está em andamento. Um tratamento que pode estar disponível no futuro é a estimulação cerebral profunda. É um procedimento no qual os eletrodos são implantados em seu cérebro. Então um gerador é implantado em seu peito. O gerador envia impulsos elétricos ao cérebro para ajudar a diminuir as convulsões.

Outro caminho de pesquisa envolve um dispositivo parecido com marca-passo. Verificaria o padrão de atividade cerebral e enviaria uma carga elétrica ou uma droga para impedir uma convulsão.

Cirurgias minimamente invasivas e radiocirurgia também estão sendo investigadas.

Medicamentos para epilepsia

O tratamento de primeira linha para a epilepsia é a medicação anticonvulsivante. Essas drogas ajudam a reduzir a frequência e a gravidade das convulsões. Eles não podem parar uma convulsão que já está em andamento, nem é uma cura para a epilepsia.

A medicação é absorvida pelo estômago. Então, ele viaja pela corrente sanguínea até o cérebro. Afeta os neurotransmissores de uma forma que reduz a atividade elétrica que leva às convulsões.

Medicamentos anticonvulsivos passam pelo trato digestivo e deixam o corpo através da urina.

Existem muitos medicamentos anticonvulsivos no mercado. Seu médico pode prescrever um único medicamento ou uma combinação de drogas, dependendo do tipo de convulsão que você tem.

Medicamentos comuns para epilepsia incluem:

  • Levetiracetam (Keppra)
  • lamotrigina (Lamictal)
  • topiramato (Topamax)
  • ácido valpróico (Depakote)
  • carbamazepina (Tegretol)
  • etossuximida (Zarontin)

Estes medicamentos estão geralmente disponíveis em comprimidos, líquidos ou formas injetáveis ​​e são tomados uma ou duas vezes por dia. Você começará com a menor dose possível, que pode ser ajustada até começar a funcionar. Estes medicamentos devem ser tomados de forma consistente e conforme prescrito.

Alguns efeitos colaterais em potencial podem incluir:

  • fadiga
  • tontura
  • erupção cutânea
  • coordenação deficiente
  • problemas de memória

Raros, mas os efeitos colaterais graves incluem depressão e inflamação do fígado ou outros órgãos.

A epilepsia é diferente para todos, mas a maioria das pessoas melhora com medicação anticonvulsivante. Algumas crianças com epilepsia param de ter convulsões e podem parar de tomar medicação.

Existe uma cura para a epilepsia?

Não há cura para a epilepsia, mas o tratamento precoce pode fazer uma grande diferença.

Convulsões descontroladas ou prolongadas podem levar a danos cerebrais. A epilepsia também aumenta o risco de morte súbita e inexplicável.

A condição pode ser gerenciada com sucesso. Convulsões geralmente podem ser controladas com medicação.

Dois tipos de cirurgia cerebral podem reduzir ou eliminar as convulsões. Um tipo, chamado ressecção, envolve a remoção da parte do cérebro onde as crises se originam.

Quando a área do cérebro responsável pelas convulsões é muito importante ou grande para ser removida, o cirurgião pode realizar uma desconexão. Isso envolve interromper o caminho do nervo fazendo cortes no cérebro. Isso evita que as convulsões se espalhem para outras partes do cérebro.

Uma pesquisa recente descobriu que 81% das pessoas com epilepsia grave estavam completamente ou quase livres de crises seis meses após a cirurgia. Após 10 anos, 72 por cento ainda estavam completamente ou quase livres de crises.

Dezenas de outras avenidas de pesquisa sobre causas, tratamento e possíveis curas para a epilepsia estão em andamento.

Embora não haja cura neste momento, o tratamento correto pode resultar em uma melhora dramática na sua condição e na sua qualidade de vida.

Ataque Epiléptico: O Que Fazer? Quais os Sintomas?
5 (100%) 2 votos

Comente