O Que é Filariose, Tipos, Tratamento, Prevenção, Tem Cura?

0
7351
Filariose

A grande maioria dos problemas de pele é causada por fungos e bactérias, como por exemplo a micose, mas existem problemas mais graves e consideravelmente mais agoniantes.

Se conviver com fungos e bactérias em seu corpo já é uma ideia desconfortável, imagine conviver com vermes em seu corpo? Chega a ser assustador só de pensar. Parece algo que existe apenas nas telas do cinema, mas é muito real.

Embora não seja fatal, a filariose é crônica e muito dolorosa. A doença causa um acúmulo de fluido (hidrocoele); inchaço (linfedema) da camada subcutânea da pele que abriga tecidos gordurosos e conjuntivos; passagem de urina de cor turva (chilúria) e, na sua forma mais extrema, a pele e os tecidos subjacentes dos membros inferiores e do escroto engrossam e ficam distendidos, assumindo a semelhança dos membros do elefante e ganhando o nome Elefantíase.

A inflamação que começa dentro da pele geralmente é causada pela reação do sistema imune ao parasita. Também pode ser causada por bactérias que podem ter invadido a pele devido a um sistema imunológico já enfraquecido. Neste ponto, os linfonodos e os vasos linfáticos também começarão a inchar.
Estes sintomas se desenvolvem de forma muito lenta, às vezes levando anos. Aqueles que estão infectados não mostram sinais externos até que a doença atinja sua fase tardia. Na última etapa da doença, as pessoas afetadas são imediatamente identificadas por causa de suas pernas, braços, seios ou órgãos genitais grosseiramente inchados, com pele rachada e engrossada, que é áspera e difícil de tocar. LF também pode causar danos nos rins e todo o sistema linfático. As pessoas afetadas pela filariose linfática são submetidas ao estigma social e são incapazes de viver uma vida normal.

causas da filariose

A filariosie é a doença causada por vermes filarianos. A filariose cutânea simplesmente significa manifestações cutâneas da filariose, mas esses vermes podem infestar outras partes do corpo, como o sistema linfático e as cavidades do corpo. Existem centenas de vermes de filarianos, mas apenas cerca de 8 desses vermes parasitam os seres humanos. Destes, 3 espécies são consideradas significativas na filariose cutânea. Estes três são Loa loa (loiasis), Mansonella streptocerca(mansonelliasis) e Onchocerca volvulus (oncocercose), sobre os quais explanaremos a seguir.

Loiasis ( Loa loa)

Regiões de risco: África Ocidental e Central (pântanos e florestas tropicais)

Afeta: Pele (especialmente em antebraços, pulsos, rosto, seios ou pernas) e olhos.

Sintomas: 

  • Pode surgir anos após a infecção.
  • Inchaço vermelho que muitas vezes é doloroso (inchaço de Calabar)
  • Comichão na pele.
  • Urticária (urticária).
  • Às vezes, febre.
  • Lumps (abscesso ou granuloma) sob a pele.

loiasis

Onchocerca volvulus (oncocercose)

Regiões de risco: principalmente a África (oeste, leste e central), mas também na América do Sul e no Oriente Médio.

Afeta: pele e olhos.

Sintomas:

  • Erupção cutânea vermelha (forma leve).
  • Escurecimento (hiperpigmentação quando a erupção cura).
  • Inflamação das estruturas oculares externa e interna e pode levar a cegueira.
  • Febre, dor muscular, dor nas articulações, perda de peso.

Mansonella streptocerca (Mansonelliasis)

Regiões de risco: áreas florestadas na África.

Sintomas:

  • Erupção cutânea elevada (inchada, vermelha e comichão no início).
  • Nódulos linfáticos alargados, borrachos e móveis.
  • Lumps sob a pele (granulomas ou abscessos).
  • Escurecimento (hiperpigmentação) quando a inflamação diminui.
  • A pele pode ficar permanentemente engrossada.

Mansonella streptocerca

Tratamento e Gestão da Filariose

Dependendo do tipo de verme, os sintomas podem surgir em qualquer lugar de alguns dias até mesmo anos após a infecção inicial. Portanto, muitas pessoas podem não saber que estão infectadas com o verme e não procuram tratamento em estágio inicial. Outro problema é que esses vermes podem não causar sintomas ou sintomas muito leves e vagas desde o início. Quando o verme morre, as proteínas do seu organismo degradante ou, às vezes, até bactérias dentro dele, são liberadas no corpo humano. O sistema imunológico pode então reagir a essas proteínas ou bactérias. O corpo pode tentar deslizar o verme morto, o que pode levar a um granuloma e a cicatriz fibrótica pode causar protuberâncias permanentes.

São utilizados fármacos antiparasitários como dietilcarbamazina (DEC) e ivermectina para destruir o verme. A dietilcarbamazina é usada contra worms de Loa loa , enquanto a ivermectina é usada para matar   vermes de Onchocerca volvulus . Qualquer um desses medicamentos pode ser usado para tratar a mansonelíase sintomática, enquanto os casos assintomáticos geralmente não são tratados. Outra droga conhecida como suramin pode às vezes ser usada na oncocercose, mas é conhecida por sua toxicidade.

Antibióticos como a doxiciclina ajudam a esterilizar o verme filarial e podem matar certas espécies. Também é útil tratar infecções bacterianas que surgem quando o verme morre. Às vezes, antibióticos IV podem ser necessários para infecções bacterianas secundárias da pele.

Outras drogas para alívio sintomático:

  • Anti – histamínicos para reduzir a coceira e a inflamação.
  • Corticosteróides para controlar a inflamação e a resposta imune ao verme morto.
  • Analgésicos para alívio da dor.

Como Prevenir a Filariose

Prevenir a ocorrência de filariose linfática significa evitar as mordidas de mosquitos suspeitas de levar a doença. A Organização Mundial da Saúde recomenda limitar qualquer atividade ao ar livre durante a noite, especialmente se viver em áreas rurais ou selvas; vestindo mangas compridas e calças longas; evitando roupas de cor escura que sejam atraentes para os mosquitos; sem usar aromas como perfume ou colônia; tratando roupas com um repelente de insetos como permetrina (Duramon, Permanone); usando folhas de citronela ou de eucalipto de limão para evitar mosquitos; instalando telas e mosquiteiros e usando ar-condicionado, pois o ar mais frio faz com que os mosquitos se tornem letárgicos.

Em um estudo de 2007 do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID), 23.500 pessoas que moram no Egito participaram de um programa de avaliação de saúde de dois anos para testar a eficácia de uma campanha de eliminação de LF.

Embora não haja vacina para LF a partir do presente, os cientistas ainda estão trabalhando para encontrar uma inoculação preventiva para a doença. A Organização Mundial de Saúde também continua sua tentativa de impedir que a infecção se espalhe e alivie os sintomas daqueles já infectados. Mesmo empresas de saúde globais como a SmithKline Beecham e a Merck and Co., Inc. juntaram-se à luta contra a filariose linfática através da doação de medicamentos e apoiando a eliminação da doença.

mosquito elefantiase

RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES
Receba nossos novos artigos em seu e-mail e fique sempre informado, é grátis!

Deixe uma resposta