Mal de Parkinson

Existem muitas doenças e complicações que acabam se agravando e, até mesmo, se desenvolvendo com o passar da idade, uma das mais conhecidas é o Mal de Parkinson.

Para aqueles que acreditam que o Mal de Parkinson está limitado aos tremores das mãos, dos quais tanto ouvimos falar em filmes e séries, estamos aqui para explanar sobre um assunto que que é, na verdade, muito mais sério. As características da doença de Parkinson são a perda progressiva do controle muscular, que leva ao tremor dos membros e da cabeça, enquanto em repouso, rigidez, lentidão e comprometimento do equilíbrio. À medida que os sintomas pioram, pode tornar-se difícil andar, falar e concluir tarefas simples.

A progressão da doença de Parkinson e o grau de comprometimento variam de pessoa para pessoa. Muitas pessoas com doença de Parkinson vivem vidas produtivas, enquanto outras se tornam deficientes muito mais rapidamente. Complicações de Parkinson, como lesões relacionadas à queda ou pneumonia podem causar morte prematura. No entanto, estudos de populações de patentes com e sem doença de Parkinson sugerem que a expectativa de vida de pessoas com a doença é aproximadamente a mesma da população em geral.

A maioria dos indivíduos que desenvolvem a doença de Parkinson tem 60 anos de idade ou mais. Como a expectativa de vida global está aumentando, o número de indivíduos com doença de Parkinson aumentará no futuro. A doença de Parkinson de início na idade adulta é mais comum, mas a doença de Parkinson precoce (início entre 21-40 anos) e a doença de Parkinson juvenil (início antes dos 21 anos) podem ocorrer.

Descrições da doença de Parkinson datam de 5000 AC. Naquela época, uma antiga civilização indiana chamou o distúrbio de Kampavata e tratou-o com as sementes de uma planta contendo níveis terapêuticos do que é hoje conhecido como levodopa. A doença de Parkinson recebeu esse nome em homenagem ao médico britânico James Parkinson, que em 1817 descreveu a desordem em detalhes como “tremendo de paralisia”.

O que causa a doença de Parkinson?

Uma substância chamada dopamina age como um mensageiro entre duas áreas do cérebro para produzir movimentos suaves e controlados. A maioria dos sintomas relacionados ao movimento da doença de Parkinson é causada pela falta de dopamina devido à perda de células produtoras de dopamina na substância negra. Quando a quantidade de dopamina é muito baixa, a comunicação entre a substância negra e o corpo estriado torna-se ineficaz e o movimento fica prejudicado; quanto maior a perda de dopamina, pior os sintomas relacionados ao movimento. Outras células do cérebro também degeneram em algum grau e podem contribuir para sintomas não relacionados ao movimento da doença de Parkinson.

Embora seja sabido que a falta de dopamina causa os sintomas motores da doença de Parkinson, não está claro por que as células cerebrais produtoras de dopamina se deterioram. Estudos genéticos e patológicos revelaram que vários processos celulares disfuncionais, inflamação e estresse podem contribuir para o dano celular. Além disso, aglomerados anormais chamados corpos de Lewy, que contêm a proteína alfa-sinucleína, são encontrados em muitas células cerebrais de indivíduos com doença de Parkinson. A função desses aglomerados em relação à doença de Parkinson não é compreendida. Em geral, os cientistas suspeitam que a perda de dopamina é devida a uma combinação de fatores genéticos e ambientais.

Sintomas da doença de Parkinson

Os sintomas primários da doença de Parkinson estão todos relacionados à função motora voluntária e involuntária e geralmente começam em um lado do corpo. Os sintomas são leves no início e progredirão ao longo do tempo. Alguns indivíduos são mais afetados do que outros. Estudos mostraram que, quando surgem sintomas primários, indivíduos com doença de Parkinson terão perdido de 60% a 80% ou mais das células produtoras de dopamina no cérebro. Os sintomas motores característicos incluem o seguinte:

  • Tremores: Tremores nos dedos, mãos, braços, pés, pernas, mandíbula ou cabeça. Os tremores ocorrem mais frequentemente enquanto o indivíduo está em repouso, mas não enquanto envolvido em uma tarefa. Os tremores podem piorar quando um indivíduo está excitado, cansado ou estressado.
  • Rigidez: rigidez dos membros e tronco, que pode aumentar durante o movimento. A rigidez pode produzir dores musculares e dor. A perda de movimentos sutis das mãos pode levar a escrita apertada (micrografia) e dificultar a alimentação.
  • Bradicinesia: lentidão do movimento voluntário. Com o tempo, pode tornar-se difícil iniciar o movimento e completar o movimento. A bradicinesia, juntamente com a rigidez, também pode afetar os músculos faciais e resultar em uma aparência inexpressiva e “semelhante à máscara”.
  • Instabilidade postural: Reflexos prejudicados ou perdidos podem dificultar o ajuste da postura para manter o equilíbrio. A instabilidade postural pode levar a quedas.
  • Marcha parkinsoniana: Indivíduos com doença de Parkinson mais progressiva desenvolvem uma caminhada barulhenta distinta com uma posição inclinada e um balanço do braço diminuído ou ausente. Pode tornar-se difícil começar a andar e fazer curvas. Os indivíduos podem congelar no meio do passo e parecer cair para a frente enquanto caminham.

Embora os principais sintomas da doença de Parkinson estejam relacionados ao movimento, a perda progressiva do controle muscular e a continuação do dano ao cérebro podem levar a sintomas secundários. Eles variam em gravidade e nem todo indivíduo experimentará todos eles.

Alguns dos sintomas secundários do mal de Parkinson incluem:

  • Ansiedade, insegurança e estresse
  • Confusão, perda de memória e demência (mais comum em idosos)
  • Prisão de ventre
  • Depressão
  • Dificuldade em engolir e salivação excessiva
  • Olfato diminuído
  • Aumento da transpiração
  • Disfunção erétil masculina
  • Problemas de pele
  • Fala lenta e silenciosa e voz monótona
  • Frequência / urgência urinária

Qual é o tratamento para a doença de Parkinson?

Atualmente não há tratamento para curar a doença de Parkinson. Várias terapias estão disponíveis para retardar o aparecimento de sintomas motores e melhorar os sintomas motores. Todas essas terapias são projetadas para aumentar a quantidade de dopamina no cérebro, seja substituindo a dopamina, imitando a dopamina ou prolongando o efeito da dopamina, inibindo sua degradação. Estudos mostraram que a terapia precoce no estágio não motor pode retardar o aparecimento de sintomas motores, estendendo, assim, a qualidade de vida.

A terapia mais eficaz para a doença de Parkinson é a levodopa (Sinemet), que é convertida em dopamina no cérebro. No entanto, como o tratamento a longo prazo com levodopa pode levar a efeitos colaterais desagradáveis ​​(uma resposta abreviada a cada dose, cãibras dolorosas e movimentos involuntários), seu uso é muitas vezes adiado até que o comprometimento motor seja mais grave. A levodopa é frequentemente prescrita em conjunto com a carbidopa (Sinemet), que impede a decomposição da levodopa antes de chegar ao cérebro. O co-tratamento com carbidopa permite uma dose mais baixa de levodopa, reduzindo assim os efeitos secundários.

Sintomas Parkinson

Nos estágios iniciais da doença de Parkinson, substâncias que imitam a ação da dopamina (agonistas da dopamina) e substâncias que reduzem a quebra da dopamina (inibidores da monoaminoxidase tipo B (MAO-B)) podem ser muito eficazes no alívio dos sintomas motores. Efeitos colaterais desagradáveis ​​dessas preparações são bastante comuns, incluindo inchaço causado pelo acúmulo de líquido nos tecidos do corpo, sonolência, constipação, alucinações e náusea.

Para alguns indivíduos com sintomas motores avançados, virtualmente incontroláveis, a cirurgia pode ser uma opção. Em estimulação cerebral profunda (DBS), o cirurgião implanta eletrodos para estimular áreas do cérebro envolvidas no movimento. Em outro tipo de cirurgia, áreas específicas no cérebro que causam os sintomas de Parkinson são destruídas.

Uma abordagem alternativa que tem sido explorada é o uso de células produtoras de dopamina derivadas de células-tronco. Embora a terapia com células-tronco tenha um grande potencial, mais pesquisas são necessárias para que essas células possam ter valor terapêutico no tratamento da doença de Parkinson.

Além de medicação e cirurgia, mudanças gerais de estilo de vida (repouso e exercício), fisioterapia, terapia ocupacional e terapia da fala podem ser benéficas.

Comente